Postado no dia 30 de Abril de 2012 - 10h59m
Atualizado no dia 30 de Abril de 2012 - 11h17m

Cindy Sherman épica

Em nova série de trabalhos, a artista norte-americana relê a pintura de paisagem do século 19 em chave anti-sublime

Texto: Juliana Monachesi • PÁGINA 1 de 2

Metro Pictures, galeria nova-iorquina da artista, inaugura exposição paralela à retrospectiva no MoMA

Cindy-sherman05

Legenda: Untitled (2010-11), obra de Sherman na Metro Pictures, em NY (Foto: Divulgação)

A identidade é um artifício que tem a fotografia como principal cúmplice. Estamos no mundo de Cindy Sherman, uma das artistas mais influentes de seu tempo. E, por isso mesmo, um dos poucos nomes que já tiveram a honra de ganhar, ainda em vida, uma retrospectiva na meca da arte moderna: o MoMA de Nova York. A exposição cobre a carreira da artista desde os clássicos Untitled Film Stills, dos anos 1970, até as obras fotográficas em formato de mural a que ela tem se dedicado desde 2010 – e que expõe pela primeira vez nos EUA na mostra do museu. São 171 obras-chave para compreender sua produção. E, a partir desta semana, os aficionados por fotografia contemporânea que já vinham se deliciando com a festa shermaniana ganham algumas cerejas a mais no bolo: exposição individual com obras novinhas em folha, na galeria Metro Pictures, em NY.

Nestes 35 anos de carreira, Cindy Sherman flertou com o cinema, as revistas femininas, a moda, a publicidade, a psicanálise e a história da arte, mas sua maior contribuição foi protagonizar, junto de nomes como Richard Prince, Sherrie Levine e Louise Lawler, a conquista de um espaço nobre para a fotografia no cânone da arte contemporânea. Antes desse grupo de artistas que se estabeleceu nos anos 1980, a fotografia era considerada uma arte menor. Hoje, se um jovem artista trabalhando com o suporte fotográfico ganha reconhecimento e tem suas obras absorvidas pelo conservador mercado de arte, é em grande parte graças a Cindy Sherman e seus colegas da Pictures Generation – termo cunhado pelo crítico Douglas Crimp, em 1977.

Sobre os novos trabalhos, vale acompanhar o press release da lendária galeria Metro Pictures. O texto de apresentação é impecável: