Postado no dia 25 de Agosto de 2011 - 23h41m
Atualizado no dia 5 de Setembro de 2011 - 23h10m

Torto e Direito: entrevista com Eduardo Longo

PÁGINA 1 de 3

Entrevista com o arquiteto Eduardo Longo,  autor do projeto Casa Bola em São Paulo

Select00-curto Circuito-eduardo Longo

Formas orgânicas dominam os projetos de design e arquitetura. Sinal de tempos que mudam e da tecnologia que avança. Quatro arquiteos – Marcio Kogan, Eduardo Longo, Anna Dietzsch e Guillaume Sibaud – Revelam o que pensam das linhas tortas e retas.

Por Marlia Scalzo

Eduardo Longo, nome que vem sempre acompanhado dos adjetivos visionário e não convencional. Autor do projeto da Casa Bola, em São Paulo, nos anos 1970, o arquiteto se autointitula um neomodernista bem-humorado.

O homem está dando mais valor ao seu lado torto ou o homem entortou?

De fato, a arquitetura torta tem feito sucesso. Algumas dessas propostas de arquitetura espetáculo são, a meu ver, monumentos ao desperdício irresponsável, ainda que, algumas vezes, belos.

Por que você acha que isso acontece?

Talvez pela convergência de diversos fatores: computação, consumismo, exibicionismo, ampliação do turismo, tédio, liberdade. As peças retas começaram a se render ao cansaço lá pelos anos 70; o racionalismo do less is more, do international style, o funcionalismo da máquina de morar, a austeridade dos projetos e a ausência de ornamentos foram dando lugar ao pós-modernismo, com suas marcantes referências ao classicismo e à fantasia, numa concessão ao humor e à libertação dos cânones do modernismo. Paralelamente, desenhos desconstrutivistas iam surgindo, relegando modulação, prumo e nível em busca do inusitado. Hoje, nota-se que há espaço para todas as tendências; do neorracionalismo dominado pelo ortogonal às elucubrações, que são temas desta matéria.

Em que lugar desse processo você se enquadra?