Kuwait em Chamas

Série de fotos de Sebastião Salgado ganha primeira edição de luxo mais de 20 anos depois

Luciana Pareja Norbiato
(foto Mark Seelen/Taschen)

Entre janeiro e fevereiro de 1991, o Kuwait estava literalmente explodindo. Diante da derrota sofrida pelas tropas iraquianas, que foram obrigadas pelos EUA a desocupar o país, o ditador Saddam Hussein mandou que fossem incendiados cerca de 700 poços de petróleo. Em meio a esse cenário, Sebastião Salgado pousou na região para registrar a paisagem devastada e encoberta pela fumaça negra.

Agora, mais de 20 anos depois, a editora Taschen lança Kuwait, a Desert of Fire Limited Edition. É uma edição de luxo com tiragem limitada e papel com qualidade museológica, trazendo mais de 80 imagens selecionadas entre os registros do conflito no Oriente Médio, em capa de tecido e intercaladas com folhas transparentes para proteção. Há também uma Art Edition, com tiragem de cem cópias e uma impressão fine art. Diferentemente da edição comum do livro, que já tem tradução por aqui (R$ 299,90), a versão limitada e a edição de arte custam U$ 1 mil e estão disponíveis no site da Taschen fora do Brasil.

Imagem de Sebastião Salgado que integra mostra na Galeria Mario Cohen (foto: reprodução)

Imagem de Sebastião Salgado que integra mostra na Galeria Mario Cohen (foto: reprodução)

Para quem tem interesse na série e prefere comprar as imagens avulsas, a Galeria Mario Cohen, especializada em fotografia fine art, expõe até o dia 20/12 (terça-feira) cerca de 15 imagens que integram a série do Kuwait em chamas clicada por Sebastião Salgado.

Kuwait, um Deserto em Chamas
Galeria Mario Cohen – Fotografia Fine Art
Rua Joaquim Antunes, 177, 2° andar, Jardim Paulistano, São Paulo,
Até 20/12

Artigo anterior:
Próximo artigo:

Nota de esclarecimento A Três Comércio de Publicações Ltda. (EDITORA TRÊS) vem informar aos seus consumidores que não realiza cobranças por telefone e que também não oferece cancelamento do contrato de assinatura de revistas mediante o pagamento de qualquer valor. Tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A Editora Três é vítima e não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças, informando aos seus clientes que todas as medidas cabíveis foram tomadas, inclusive criminais, para apuração das responsabilidades.