Museu vivo do Arcade

Para quem achava que verdadeiro e original Arcade foi extinto, mostramos as controvérsias

Mariel Zasso

Publicado em: 20/02/2013

Categoria: Da Hora

Tags: ,

O "museu do Arcade" é um acaso: uma antiga sala de jogos que sobreviveu aos revezes do tempo. (Foto: K. Shamliam/Ianyan Magazine)

Um longo artigo publicado em janeiro no The Verge decretou a extinção do bom e velho arcade, que aqui no Brasil ficou mais conhecido como fliperama mesmo. Sem pretensões historiográficas, Vida e Morte do Arcade lamentou com saudosismo a impossibilidade de se encontrar um original da traquitana lúdica, que teve sua época áurea nas décadas de 1970 e 1980 – em 1978, Space Invaders foi publicado, e tornou-se o jogo de maior sucesso já criado.

Mas a ainda boa e já quase velha “web” mais uma vez permitiu uma rápida contra-argumentação, com irrefutáveis imagens. Uma sala de jogos da antiga União Soviética, montada na década de 1970, ficou esquecida no tempo e segue intacta, na cidade de Gyumri, hoje Armênia.

O fotógrafo K. Shamlian fez a descoberta e um belo ensaio fotográfico, mostrando que não apenas um, mas uma sala inteira cheia de arcades ainda em funcionamento. Publicadas em 2011, as fotos são de propriedade da Ianyan Magazine, então fica o convite para que você visite o ensaio completo lá.

Nota de esclarecimento A Três Comércio de Publicações Ltda. (EDITORA TRÊS) vem informar aos seus consumidores que não realiza cobranças por telefone e que também não oferece cancelamento do contrato de assinatura de revistas mediante o pagamento de qualquer valor. Tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A Editora Três é vítima e não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças, informando aos seus clientes que todas as medidas cabíveis foram tomadas, inclusive criminais, para apuração das responsabilidades.