seLecTs

Dicas da semana (13/4) selecionadas pela redação

Da redação
O Jardim do Éden e o Sangue da Górgona, de Claudia Bakker (Foto: Rodrigo Andrade)
O Jardim do Éden e o Sangue da Górgona, de Claudia Bakker (Foto: Rodrigo Andrade)

RIO DE JANEIRO
AMPLA PROGRAMAÇÃO
Cartas a Lumière  – A Chegada do Trem à Estação, O Jardim do Éden e o Sangue da Górgona em sobre as Potências do Orgânico 1995/2017, Dança.MOV – Cidade em Movimento, de 17/4 à 18/5, Oi Futuro Flamengo, Rua Dois de Dezembro, 63 | www.oifuturo.org.br
A programação do Oi Futuro Flamengo para os meses de abril e junho é muito diversa. Logo na fachada do prédio, dá-se de cara com a grande fotografia O Jardim do Éden e o Sangue da Górgona, de Claudia Bakker. Fora isso, pode-se também conferir a mais recente videoinstalação de Fabiano Mixo, Cartas a Lumière, em que o artista e cineasta confronta as origens do cinema, recriando o pioneiro filme dos irmãos Lumière para os trens e plataformas da Central do Brasil em realidade virtual. Ainda, para fechar com chave de ouro, a instituição também conta com exibições de videodanças, dirigidas por Gustavo Gelmini e criadas para lugares específicos do Rio de Janeiro, que constroem relações entre o cinema e a dança.

(Foto: Divulgação)

(Foto: Divulgação)

SÃO PAULO
ELETRÔNICA
Oficina de Introdução à Eletrônica para Artistas, de 26/4 até 30/4, Caixa Cultural São Paulo, Praça da Sé, 111 | www.eletronicaparaartistas.com.br
Para aqueles artistas que gostariam de saber mais sobre a construção de circuitos eletrônicos, a Caixa Cultural São Paulo oferece curso gratuito para possibilitar o uso de recursos como luz, ritmo, som, magnetismo e movimento, a partir de componentes de baixo custo. O objetivo é aumentar as possibilidades artísticas por meio da construção de circuitos, para que os artistas possam usá-los em suas obras e não tenham que recorrer a circuitos prontos. A oficina é ministrada por Helder da Rocha e tem vagas limitadas.

BRASIL
EM FOCO
Inscrições 5º Prêmio FOCO Bradesco ArtRio, até 31/5 | www.artrio.art.br
Estão abertas as inscrições para a quinta edição do Prêmio FOCO Bradesco ArtRio. O edital procura fomentar e difundir a produção de artistas brasileiros com até 15 anos de carreira, independente da linguagem com a qual trabalham. Os três premiados terão a chance de exibir trabalhos na ArtRio 2017 e de participar de uma residência nas instituições culturais Saracura (RJ), Ecovila Terra Una (MG) e Instituto CAMPO + Fundação Museu do Homem Americano (PI). Paula Borghi, Nadam Guerra, Marcelo Veloso e Niéde Guidon, responsáveis por essas residências, são os nomes que integram o comitê de seleção do prêmio, dirigido por Bernardo Mosqueira.

(Foto: Cortesia Stephan Doitschinoff)

Croqui da instalação-altar Interventu (Foto: Cortesia Stephan Doitschinoff)

DUBLIN
Sincretismo na fachada
As Above, So Below, 13/4 até julho, Irish Museum of Modern Art, Military Road, Ushers | www.imma.ie
Que o segredo e o espiritual consolidaram-se como tendência artística, seLecT já sabia desde a edição 32, dedicada ao tema. Agora, uma exposição na Irlanda mergulha nesse universo trazendo um brasileiro entre nomes como Bruce Nauman e Hilma af Klint. Stephan Doitschinoff criou Interventu (Intervenção, em latim), uma grande instalação-altar que vai ocupar a fachada do museu, abrindo a mostra. Sua inspiração foram os ex-votos, ou esculturas em forma de membros humanos deixadas nas igrejas para agradecer um milagre. Como em trabalhos prévios, Doitschinoff usa um léxico próprio, que mescla elementos católicos, da umbanda e das tradições indígenas para decorar esculturas de mãos e pés confeccionados em parafina e expostos em cada uma das cinco obras que compõem o altar. O paulista não é o único brasileiro no IMMA: até 5/6, Jac Leirner ganha individual com trabalhos pensados para a arquitetura do museu.

Edifício Caramuru (Foto: Leonardo Finotti)

Edifício Caramuru (Foto: Leonardo Finotti)

BRASIL
ARQUITETURA MODERNA
Livro O Visível e o Invisível na Arquitetura Brasileira, lançamento em 24/4, Instituto de Arquitetos do Brasil, R. Bento Freitas, 306
A arquitetura moderna brasileira ganha uma abordagem diferente no livro escrito pelo historiador e professor da FAU-USP José Tavares Correia de Lira. Com fotografias de Leonardo Finotti e organizado pelo pesquisador Reinaldo Botelho, a publicação analisa 16 obras projetadas por diferentes arquitetos em diversas regiões brasileiras e que são tombadas ou estão em processo de tombamento. O livro relaciona as obras arquitetônicas, como o Conjunto Nacional em São Paulo ou o Edifício Caramuru na Bahia, a acontecimentos sociais, culturais e políticos. O lançamento de O Visível e o Invisível na Arquitetura Brasileira contará com a presença de Correia de Lira e Finotti e acontece no Instituto de Arquitetos do Brasil, em 24/4, às 19h.

Artigo anterior:
Próximo artigo: