Vida, arte

Exposição resgata produção em performance dos anos 1980 e oferece oficina gratuita sobre a linguagem

Luana Fortes
Apresentação do espetáculo Magritte Espelho Vivo, de Renato Cohen, em 1986 (Foto: Vina Essin)

A efervescência da arte dos anos 1980 ganha exposição na CAIXA Cultural Rio de Janeiro. A mostra resgata trabalhos de performance que resistiram à limitação de recursos técnicos para serem registrados e documentados. Numa época de urgência criativa, soluções low-tech eram suficientes para compensar a efemeridade dessa linguagem.

Retroperformance, assim, reúne vídeos, fotografias, filipetas, jornais, cartazes, cadernos, croquis e storyboards de artistas bastante representativos da performance, no eixo Rio-São Paulo. Entre eles, estão Lenora de Barros, Otávio Donasci, Guto Lacaz e o coletivo 3NÓS3. “Esses artistas tensionavam o limite, se rebelavam e usavam todos os recursos disponíveis naquela época, inclusive a performance, para fazer da sua vida, arte”, revelam o time de curadores do grupo Brasil Performance, composto por Grasiele Sousa, Lucio Agra, Joanna Barros e Samira Br.

 

Para inaugurar a mostra, acontece às 15h do dia 5/8 (sábado) um debate com os curadores, assim como uma apresentação de performances com Guto Lacaz, Otávio Donasci, Ricardo Basbaum, Alexandre Dacosta, Mauricio Ruiz e Alex Hamburger. Além disso, em 23/8 (quarta-feira), ocorre uma oficina gratuita voltada para interessados na linguagem, a ser ministrada por Grasiele Sousa. Interessados devem realizar sua inscrição pelo e-mail: oficina@espacoliquido.com.br.

Serviço
Retroperformance
CAIXA Cultural Rio de Janeiro – Galeria 3
Av. Almirante Barroso, 25 – Rio de Janeiro
De 5/8 até 8/10
caixacultural.com.br

Artigo anterior:
Próximo artigo:

Nota de esclarecimento A Três Comércio de Publicações Ltda. (EDITORA TRÊS) vem informar aos seus consumidores que não realiza cobranças por telefone e que também não oferece cancelamento do contrato de assinatura de revistas mediante o pagamento de qualquer valor. Tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A Editora Três é vítima e não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças, informando aos seus clientes que todas as medidas cabíveis foram tomadas, inclusive criminais, para apuração das responsabilidades.