Infinitude e mistério

Galeria Luisa Strina recebe O céu que nos protege, nova individual de Marina Saleme

Publicado em: 15/01/2016

Categoria: Agenda, Da Hora, Notícias Quentes

Questões que versam sobre a duvida em relação a figura e a sua real posição no mundo, a vulnerabilidade da existência, presença e principalmente ausência de todas as coisas frente ao tempo e espaço são uma constante no trabalho de Marina Saleme. Marina se formou em Artes Plásticas na Faap em 1982 e deu aula de pintura e seus processos criativos durante 10 anos no Instituto Tomie Ohtake. A artista trabalha desde então predominantemente com pintura, desenho e fotografia.
­ ­ ­

Destacam-se as exposições individuais e coletivas no MAM Museu de Arte Contemporânea do Rio de Janeiro, Paço Imperial (Rio de Janeiro), Paço das Artes (São Paulo), Centro Universitário Maria Antônia (São Paulo), MAM ( são Paulo) no Palácio das Artes (Belo Horizonte), Musée d’art contemporain de Baie-Saint-Paul (Canadá), na Embaixada do Brasil na França (Paris), entre outras.
­ ­ ­

Suas obras estão em coleções públicas e particulares de destaque como o Museu de Arte Moderna do Rio de Janeiro; Coleção Instituto Figueiredo Ferraz (Ribeirão Preto); Instituto Cultural Itaú, São Paulo; Museu de Arte Moderna de São Paulo; Pinacoteca do Estado de São Paulo; Fundação Padre Anchieta / Metrópolis, São Paulo.
­ ­ ­

Seu processo é lento e reflexivo: suas pinturas são feitas em camadas, assim como seus desenhos e fotos, também não imediatos.
­ ­ ­

Trabalha com a criação, apagamento e resgate – o ato de apagar está relacionado com a impermanência das coisas ou mesmo das verdades. Trabalha formalmente e poeticamente a ausência e alternância entre o visível e invisível, real e irreal e os efeitos dos diversos pontos de vista sobre a verdade.
­ ­ ­ ­ ­

Em alguns trabalhos, pessoas e paisagem pairam sob um imenso céu, que nos submete por sua imensidão, infinitude e mistérios, como uma metáfora para o incontrolável da condição humana. Um lugar de onde jorram as graças e desgraças (no trabalho da artista tomam forma de linhas, gotas, feridas, arabescos) e para onde alguns endereçam as suas preces.
­ ­ ­

Na série de fotos Real, a realidade é questionada através de uma mesma imagem que sofre pequenas intervenções e que se desmente a cada vez, alternando radicalmente a perspectiva da real exposição dos elementos.
­ ­ ­ ­ ­

As fotos são normalmente trabalhadas em série, onde uma imagem vai se desdobrando – fazendo ou discutindo o sentido das outras. A pintura retém todo os pensamentos no seu interior, tudo é construído – mesmo as imagens apagadas. Cada avanço guarda a dívida com o que precede (Francis Alÿs).
­ ­ ­ ­ ­ ­ ­

Marina Saleme trabalha a pintura como linguagem – ferramenta para a construção de lugares onde as coisas possam estar – ou não, finalmente.
­ ­ ­ ­

O título ‘O céu que nos protege’ foi tomado emprestado do filme homônimo de Bernardo Bertolucci de 1990.

Serviço

De 18 de Fevereiro a 26 de Março
Segunda a Sexta das 10 às 19h / Sábados das 10 às 17h.
Rua Padre João Manuel, 755, Cerqueira César, São Paulo

Tags:

Artigo anterior:
Próximo artigo:

Nota de esclarecimento A Três Comércio de Publicações Ltda. (EDITORA TRÊS) vem informar aos seus consumidores que não realiza cobranças por telefone e que também não oferece cancelamento do contrato de assinatura de revistas mediante o pagamento de qualquer valor. Tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A Editora Três é vítima e não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças, informando aos seus clientes que todas as medidas cabíveis foram tomadas, inclusive criminais, para apuração das responsabilidades.