Ritmo da quebrada

Funkeiras e rappers debatem sobre gênero, raça e classe social em letras politizadas; confira a playlist

Publicado em: 02/03/2016

Categoria: Galerias, Vídeo

Falando de sofrimento dos tupis e guaranis / Lembrei do guerreiro / Quilombo Zumbi / Zumbi dos Palmares vítima de uma emboscada / Se não fosse a Dandara eu levava chicotada, canta a carioca Mc Carol na música Não foi Cabral. Já MC Soffia, de 11 anos de idade, já fala versos como Somos mulheres, sempre, com certeza / Lindas, fortes, flortaleza. Politizadas e sucessoras de nomes como Tati Quebra-Barraco e Dina Di, funkeiras e rappers narram o cotidiano nas periferias, as barreiras de classe, o preconceito racial e de gênero. As minas firmeza foram destaque da #select28 e criamos uma playlist com algumas faixas. Confira!

 

Tags: , , , ,

Nota de esclarecimento A Três Comércio de Publicações Ltda. (EDITORA TRÊS) vem informar aos seus consumidores que não realiza cobranças por telefone e que também não oferece cancelamento do contrato de assinatura de revistas mediante o pagamento de qualquer valor. Tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A Editora Três é vítima e não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças, informando aos seus clientes que todas as medidas cabíveis foram tomadas, inclusive criminais, para apuração das responsabilidades.