A fronteira final

Guilherme Kujawski

Publicado em: 15/12/2014

Categoria: Da Hora, leitura

O artista, curador e pesquisador Marcus Bastos lança livro sobre cultura de rede no Red Bull Station

Legenda: Entrevista com Marcus Bastos durante o Seminário Diversidade Cultural

Na próxima quarta-feira, dia 17 de dezembro, acontece o lançamento do livro Limiares das Redes, escritos sobre arte e cultura contemporânea, de Marcus Bastos, publicado pela Editora Intermeios. A questão principal dos escritos é: quando se fala em cultura de rede, de que cultura estamos falando? E de que rede? Em seus primórdios, a cultura que embasava as redes era uma cultura libertária, beirando ao tecno-anarquismo. Os protocolos de comunicação tinham todo o potencial para fomentar a diversidade, mas, devido às transformações do mercado, as tendências de controle central acabaram ganhando hegemonia.

Bastos propõe a convivência de diversas vertentes de comunicação, principalmente se a convivência favorecer as comunidades sem acesso aos veículos tradicionais de informação e educação. O problema, segundo o autor, é que, apesar da ambiciosa infraestrutura comunicacional criada, não há o uso e/ou acesso equivalente.

As redes também desenvolvem protocolos e regras normativas próprias, às vezes favorecendo até o centralismo tecnocrático. Nesse sentido, devemos observar que as instituições tradicionais são significativamente melhores em auto-reflexão e memória de longo prazo do que as redes. A solução, sugerida por Bastos, seria o fomento de coletivos construídos sobre redes estocásticas, passíveis de lidar com regras aleatórias. Esta seria, ao menos em tese, a melhor maneira de se reverter a tendência centralista.

O evento acontece no espaço da Red Bull Station, na Praça da Bandeira, 137, centro de São Paulo. A partir das 19h acontece um debate com o autor, a pesquisadora Christine Mello e o artista Fernando Velázquez.

Artigo anterior:
Próximo artigo:

Nota de esclarecimento A Três Comércio de Publicações Ltda. (EDITORA TRÊS) vem informar aos seus consumidores que não realiza cobranças por telefone e que também não oferece cancelamento do contrato de assinatura de revistas mediante o pagamento de qualquer valor. Tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A Editora Três é vítima e não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças, informando aos seus clientes que todas as medidas cabíveis foram tomadas, inclusive criminais, para apuração das responsabilidades.