Acervos: história de ocupações

Um recorte da série de exposições em que o Instituto Itaú Cultural faz releituras da carreira de grandes nomes da cultura

Stripencores (2009), de Nelson Leirner (Foto: Edouard Fraipont)

Nelson Leirner
27/5/2009 – 28/8/2009
O projeto Ocupações foi aberto com uma homenagem ao artista paulistano Nelson Leirner, com curadoria de Agnaldo Farias. Em um exercício de apresentar novos aspectos de antigos trabalhos, a mostra abrigou obras de 2009 em diálogo direto com trabalhos dos anos 1960. Seu emblemático porco empalhado em engradado de madeira, de 1966, foi exposto junto de Matéria e Forma (2009), um presunto em engradado de madeira. A ocupação também destacou o papel de Leirner como professor e trouxe depoimentos de seus ex-alunos Caetano de Almeida, Germana Monte-Mór, Guy Amado, Laura Vinci e Leda Catunda. 

Objeto Cinéticon (1986), de Abraham Palatinik (Foto: Reprodução)

Abraham Palatnik
3/12/2009 – 10/1/2010
A quarta edição do Ocupação foi dedicada ao artista carioca Abraham Palatnik e teve curadoria de Aracy Amaral. A exposição incluiu trabalhos com diversos materiais e enfatizou a relação de Palatnik com a tecnologia. Vídeos sobre a sua produção estiveram presentes, como Cinético Digital (2005) e Disciplina do Caos (2005), que trazem análises do próprio artista sobre seu trabalho e trajetória. Os vídeos foram complementados por depoimentos e textos sobre o artista feitos por Fernando Cocchiarale, Frederico Morais, Guto Lacaz, Márcio Doctors e Walter Zanini.

Retrato de Regina Silveira (Foto: Ana Abril)

Regina Silveira
12/8/2010 – 2/10/2010
Regina Silveira realizou a curadoria de sua Ocupação, a sétima do instituto. A exposição focou, sobretudo, em maquetes e desenhos da artista, que nos anos 1980 começou a miniaturizar seus trabalhos de grande escala. “Fazer maquetes foi sonhar a permanência de obras que desapareciam quase sempre em um par de meses”, escreveu Silveira no texto curatorial da ocupação. A mostra também abrigou imagens de seu ateliê, documentários sobre seu trabalho, depoimentos, muitos da própria artista, e destaques de sua produção em vídeo.

Vista da ocupação de Flávio Império no instituto (Foto: Rubens Chiri)

Flávio Império
2/6/2011 – 17/7/2011
Realizada em parceria com a Sociedade Cultural Flávio Império, a Ocupação deu início ao processo de digitalização de seus documentos e obras para disponibilizá-los online. A exposição foi a nona edição do projeto e homenageou diferentes facetas de Flávio Império, que atuou em arquitetura, cenografia, figurino e artes visuais. Além de obras, depoimentos e documentários, o espaço abrigou um ateliê com matrizes serigráficas do artista, onde o público pôde imprimir gravuras em tecido.

Vista da ocupação de Cildo Meireles no instituto (Foto: Rubens Chiri)

Cildo Meireles
21/8/2011 – 2/10/2011
Com curadoria de Guilherme Wisnik, a Ocupação de Cildo Meireles exibiu apenas a obra Rio Oir, que foi concebida em 1976 e pela primeira vez executada e apresentada. Essencialmente sonoro, o trabalho partiu da frase espelhada do título: “Rio” refere-se ao ato de dar risada e ao elemento natural, que foi registrado em áudio em quatro lugares do Brasil; e “Oir” diz respeito à palavra ouvir, em castelhano. A obra convidou o público a escutar as águas de alguns dos principais rios nacionais e ver registros fotográficos dos lugares percorridos.

Retrato de Paulo Mendes da Rocha (Foto: Ana Ottoni)

Paulo Mendes da Rocha
12/9/2018 – 4/11/2018
A 41a Ocupação homenageia Paulo Mendes da Rocha. O arquiteto, urbanista e professor nasceu em 1928 na cidade de Vitória, Espírito Santo. Foi o segundo brasileiro a vencer o Prêmio Pritzker, condecoração máxima de arquitetos no mundo. Fez parte do grupo Escola Paulista, liderado por Vilanova Artigas e caracterizado pelo brutalismo. A lista de projetos assinados por Mendes da Rocha inclui o Museu Brasileiro da Escultura (MuBE), o recém-inaugurado Sesc 24 de Maio e a reforma da Pinacoteca do Estado de São Paulo, realizada em 1998. 

+ Veja todas as ocupações em itaucultural.org.br/ocupacao

Nota de esclarecimento A Três Comércio de Publicações Ltda. (EDITORA TRÊS) vem informar aos seus consumidores que não realiza cobranças por telefone e que também não oferece cancelamento do contrato de assinatura de revistas mediante o pagamento de qualquer valor. Tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A Editora Três é vítima e não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças, informando aos seus clientes que todas as medidas cabíveis foram tomadas, inclusive criminais, para apuração das responsabilidades.