Agenda do fim do mundo (21 a 28/7)

Confira as novidades da semana, que incluem feira on-line de arte latino-americana, música indígena e exposições imperdíveis

Da redação

Publicado em: 21/07/2021

Categoria: Agenda, Destaque

Sem Título (2018), de Sofia Borges, fotografia exposta no stand virtual da galeria Mendes Wood DM na feira (Foto: Divulgação)

Purãga Ara
Eu não estou sozinho
To bem acompanhado
Vou retomar a cena
Na minha terra, tá ligado?
Cheio de amargura
Por essa opressão
Faço da sabedoria minha arma
De Reconstrução
Será a nossa flecha
Nelson D, versos do single Nossa Flecha

EXPOSIÇÕES
Latin America Galleries Now
A feira virtual na plataforma Artsy reúne 16 galerias brasileiras entre diversas galerias de arte contemporânea da América Latina. Do Brasil, participam Aura, Choque Cultural, Berenice Arvani, Karla Osorio, Kogan Amaro, Luisa Strina, Marilia Razuk, Nara Roesler, Raquel Arnaud, Janaina Torres, Luciana Brito, Mendes Wood DM, Pinakotheke, Portas Vilaseca, Simões de Assis e Zipper. O público também tem acesso a uma programação de talks gratuitos, que reúne convidados de diferentes países em torno de questões relevantes para a arte contemporânea da América Latina. Serão 3 talks, um por semana, em que serão debatidos temas como novas estéticas, colecionismo, internacionalização e a complementaridade que existe entre o trabalho das galerias mais tradicionais e o das jovens galerias no ecossistema continental da arte.

Projeção na empena do Museu de Arte Contemporânea da USP (Foto: Divulgação)

Projetemos & Além de 2020 – Arte Italiana na Pandemia
Quem imaginou que a fachada de uma instituição como o MAC-USP poderia se tornar um ponto de exibição de obras? Com uma intervenção do coletivo Projetemos, a empena do edifício, criado nos anos 1950 por Oscar Niemeyer, será iluminada por uma projeção de vídeo mapping gigante. A apresentação faz parte de Trans Lu(z)cidez, instalação do grupo, que representa o Brasil na exposição internacional Além de 2020 – Arte Italiana na Pandemia, em cartaz no MAC. Projetemos é um grupo de ações coletivas coordenadas, que surgiu como um alerta diante das angústias e incertezas políticas no Brasil. Emanado de um sentimento de comunidade e da necessidade de se conectar com o outro, o coletivo é uma iniciativa da cientista política Brunna Rosa, do artista transmídia VJ Mozart Santos e do diretor de arte e projecionista Felipe Spencer. A exposição também apresenta obras de outros artistas e coletivos que contribuíram para aliviar consequências causadas pela pandemia, como Ai Weiwei, Paolo Icaro, Danilo Bucchi, Alberto Di Fabio, Paolo Ventura, Maurizio Savini e Tvboy. Em cartaz até 22/8. A projeção acontecerá no domingo, 25/7, a partir das 20h, com agendamentos pelo Sympla.

Solidão, Esquecimento e Vestígio (2021), de Claudia Renault (Foto: Divulgação)

Arte, Cidade e Patrimônio: Futuro e Memória nas Poéticas Contemporâneas
Últimos dias para visitar a exposição que investiga as poéticas urbanas de dez artistas de seis estados brasileiros. Sob curadoria de Adriana Nakamuta, nomes como Clara Cavendish, Claudia Renault, Denilson Baniwa, Mauricio Pokemon e Thiago Martins de Melo foram convidados a apresentar um trabalho inédito, conectado com a cidade do Rio de Janeiro e suas diversas esferas de patrimônio. O Rio é a primeira Capital Mundial da Arquitetura, sede do Congresso Mundial de Arquitetos (uia2021rio) e Patrimônio Cultural Mundial na categoria Paisagem Urbana, ambos títulos concedidos pela Unesco. Até domingo, 25/7, no Centro Cultural Oi Futuro, no Rio de Janeiro. Agendamento para visitas presenciais pelo site https://oifuturo.org.br. Visitas mediadas on-line estão disponíveis por mais uma semana, até 30/7, com inscrição prévia pelo link bit.ly/visitamediada.

O Guardião da Fala (2018) de Fernando Lindote (Foto: Guilherme Ternes / Divulgação)

Darwin: Origens & Evolução
A mostra lançada em 2019 para celebrar os 210 anos do nascimento de Charles Darwin (1809-1882) chega a São Paulo, apresentando a trajetória do biólogo inglês e o contexto do processo para elaboração da teoria da evolução das espécies. São 332 peças, atividades interativas presenciais, coleções biológicas – animais taxidermizados, crânios, fósseis; gravuras históricas e textos críticos. A exposição revela o modus operandi de Darwin, que manteve uma comunicação direta com muitos outros cientistas, chegando assim à teoria da evolução. No Espaço de Exposições do Centro Cultural Fiesp, em cartaz até 30/12. Para fazer uma visita, é necessário agendamento prévio de ingressos gratuitamente pelo link sesisp.org.br/eventos. A mostra tem versão virtual também, para ampliar o acesso aos conteúdos do projeto por visitantes de todo o país.

Controle Remoto (2016), intervenção dos artistas Gisela Motta e Leandro Lima no Programa Jardim Imaginário (Foto: Ding Musa/ Divulgação)

INSCREVA-SE
Programa Jardim Imaginário
Desde 2013, a Casa Museu Ema Klabin promove o Programa Jardim Imaginário, que leva intervenções artísticas para o jardim da casa museu.  Este ano, pela primeira vez, o artista que irá criar e exibir sua obra será escolhido por edital público. Quer expor em um Jardim projetado por Burle Marx e ao lado de grandes mestres mundiais? O edital ficará aberto para inscrições gratuitas de 20 de julho a 20 de agosto no site emaklabin.org.br. A Casa Museu Ema Klabin promove, amanhã, uma conversa aberta para a apresentação do edital. Participam da live os curadores Paulo de Freitas Costa (Casa Museu Ema Klabin), Gilberto Mariotti (da série Jardim Imaginário) e Thaís Rivitti, que irão apresentar a proposta do novo formato de seleção, assim como alguns parâmetros de realização dos trabalhos. A live terá transmissão pelo YouTube da Casa Museu Ema Klabin: https://www.youtube.com/c/CasaMuseuEmaKlabin. Amanhã, 22/7, das 19h às 20h.

Meme Fashwave com Black Sun ou Sonnenrad, usado por Heinrich Himmler, popular entre os círculos esotéricos da extrema-direita (Foto: Divulgação)

Cápsula 3
A terceira edição do projeto realizado pela Galeria Jaqueline Martins, com coordenação curatorial de Lisette Lagnado e Mirtes Marins de Oliveira, ganhou o título “É o Fascismo uma Anomalia?”, com vistas a abordar as continuidades (e descontinuidades) entre o fascismo histórico e a extrema-direita atual. Segundo Ana Teixeira Pinto, escritora, teórica cultural e professora convidada da Cápsula 3, o fascismo é um aspecto estrutural da modernidade que emergiu no início do século 20, na Europa, antes de se constituir em movimento político, como força cultural. Ao longo de dois encontros, Ana Teixeira Pinto vai mapear os elementos culturais que contribuem para o surgimento de formações políticas fascistas e mediar o debate sobre a atualidade do tema. Dias 24 e 31/7, das 11h às 12h30, via Zoom. Inscrições pelo email capsulas@galeriajaquelinemartins.com.br

Agora É com Elas (Foto: Divulgação)

ONLINE
Agora É Com Elas: Literatura e Sociedade na América do Sul
Escritoras da América do Sul e da Alemanha conversam sobre as relações entre literatura e sociedade em um ciclo de debates online que acontece mensalmente até outubro. Em quatro encontros ao vivo, as mesas abordarão as relações da literatura com a violência, as mudanças, o medo e a vida privada. Agora É Com Elas é um evento gratuito e com tradução simultânea organizado pelos Institutos Goethe da Argentina, da Bolívia, do Brasil, do Chile e do Peru. O primeiro encontro acontece na próxima quarta, 28/7, às 17h, com a participação de Camila Sosa Villada e Patricia Melo, mediação de Joselia Aguiar e apresentação de abertura de Claudia Piñeiro. Transmissão: canal do Goethe-Institut São Paulo no Youtube e pelo site goethe.de/brasil/agoraecomelas.

Tu Mirada Me Distorsiona Sin Saberlo/Coral (2009), de Luis González Palma (Foto: Divulgação)

APOIE
Subasta por Tamara
Reconhecida como um dos pilares da arte contemporânea na América Central, a curadora cubana Tamara Díaz Bringas passa por um momento delicado de saúde. A partir disso, amigos e artistas se reuniram na organização de um leilão que pretende angariar fundos para seu tratamento. Tamara é conhecida como uma das mentes mais generosas e brilhantes e a ideia é unir a comunidade artística nessa causa. O leilão apresenta obras de artistas como: Priscilla Monge, Pablo Helguera, Dario Escobar, Regina Galindo, Luis Gonzalez Palma, Donna Conlon, Ana Tiscornia, Liliana Porter, Moises Barrios, Fernando Poyon, Angel Poyon, Adan Vallecillo, Simon Vega, Ronald Moran, Patricia Belli, Claudia Gordillo, Carmen Elena Trigueros, Danny Zavaleta, Roberto Guerrero, Mimiam Hsu, Raul Quintanilla and Rolando Castellon, além de muitos outros. O resultado do leilão será doado integralmente para apoiar a curadora. Até amanhã, 22/7, via Facebook.

Elenco da peça Crioulo (Foto: Vitor Pickersgill)

TEATRO
1ª Mostra de Teatro On-Line APTI
Desde dia 15 de maio a Associação de Produtores Teatrais Independente organiza uma mostra de teatro online para arrecadar dinheiro para o Fundo Marlene Colé, que vem apoiando os profissionais das artes cênicas. Toda a bilheteria é revertida para a campanha que irá auxiliar as mais de 30 mil famílias de profissionais da cultura, do Estado de São Paulo, afetados pela pandemia. Destaque para Crioulos: Perspectivas de uma realidade preta, peça que mescla temas históricos da negritude, a partir de uma narrativa ficcional. Com situações cômicas e ácidas a partir de histórias que revisitam décadas de preconceito, violência, conflitos de raças e identidade, Crioulos é uma crítica mordaz a respeito das questões raciais, tão presentes nos dias de hoje. Sucesso de público e crítica, a peça teve estreia antes da pandemia e será apresentada na mostra nos dias 24 e 25 de julho. A campanha da APTI termina no dia 1º de agosto, com uma sessão especial de Alma Despejada, com Irene Ravache.

Retrato de Nelson D (Foto: Filipa Aurélio)

MÚSICA
Nossa Flecha, Nelson D
Imagine sons de tambores, maracas e flautas se misturando com synth modular e beats pesados. São essas algumas das texturas que se destacam no novo single do músico indígena Nelson D. A sensação é de uma canção futurista e psicodélica. Na música a flecha em questão é tratada tanto como símbolo da luta indígena pela demarcação das terras, como sinônimo de uma seringa, simbolizando a luta pela vacinação do inteiro povo brasileiro. O single chega nas plataformas digitais também com um remix assinado por L_cio, um dos mais fascinantes expoentes da música eletrônica nacional, único artista que obteve autorização de Chico Buarque para um remix de “Construção”. Uma referência a produção foram os álbuns Screamadelica e XTRMNTR da banda escocesa Primal Scream. A proposta do remix é levar as músicas para as pistas. Um som para fechar os olhos e imaginar um futuro diferente do presente.

Flyer (Foto: Divulgação)

8ª edição – Prêmio Grão de Música
O prêmio de música brasileira anuncia os 15 artistas contemplados e lança a coletânea Grão de Música 2021. Anualmente, ​​compositores, compositoras e intérpretes recebem a estatueta em bronze. Os artistas de diferentes gerações e estilos musicais, são selecionados pela curadoria do PGM pelo conjunto de sua obra. Os 15 artistas contemplados na nova edição representam 14 dos estados brasileiros: Abidoral Jamacaru, Bado, Cacique Pequena, Djuena Tikuna, João Ormond, Salomão di Pádua, Silvia Sol, são alguns dos contemplados. “Pela primeira vez na história do prêmio temos a presença indígena. Cacique Pequena, do Ceará, e Djuena Tikuna, do Amazonas. Para nós que organizamos a premiação é uma oportunidade ímpar de trazermos para nosso meio a cosmovisão indígena sobre um mundo natural original e orgânico, tão diferente do olhar predador de mercado e da velha economia com suas mazelas. As colonizações europeias no mundo, impregnadas pela cultura da exploração e da violência deixaram um rastro de destruição que nos põe agora no limiar da extinção como espécie. Vamos reaprender com os povos originários a cuidar da nossa aldeia comum”, compartilha a idealizadora e realizadora do prêmio, Socorro Lira. A coletânea pode ser acessada pelo Spotify.

 

 

Tags: , , , , , , , ,

Artigo anterior:
Próximo artigo:

Nota de esclarecimento A Três Comércio de Publicações Ltda. (EDITORA TRÊS) vem informar aos seus consumidores que não realiza cobranças por telefone e que também não oferece cancelamento do contrato de assinatura de revistas mediante o pagamento de qualquer valor. Tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A Editora Três é vítima e não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças, informando aos seus clientes que todas as medidas cabíveis foram tomadas, inclusive criminais, para apuração das responsabilidades.