Agenda do fim do mundo (22 a 29/4/2020)

Paul B. Preciado, Clarice Falcão, Linn da Quebrada, Book As Exhibition, Baco Exu do Blues, Paço Das Artes, Opinião Nacional

Da redação

Publicado em: 22/04/2020

Categoria: Agenda, Destaque

Frame do clipe O After Do Fim Do Mundo (2020), de Clarice Falcão com participação de Linn da Quebrada (Foto: Reprodução)

“Uma das mudanças centrais nas técnicas farmacopornográficas biopolíticas que caracterizam a crise da Covid-19 é que o lar pessoal — e não as instituições tradicionais de confinamento e padronização (hospital, fábrica, prisão, escola) — agora aparece como o novo centro de produção, consumo e controle biopolítico. Já não se trata apenas de a casa ser o local de confinamento do corpo, como foi o caso da administração de pragas. A casa pessoal tornou-se agora o centro da economia de teleconsumo e teleprodução. O espaço doméstico agora existe como um ponto em um espaço controlado por ciber, um local identificável em um mapa do google, uma caixa reconhecível por um drone.”
Paul B. Preciado em Aprendendo com o vírus. 

MÚSICA
O After do Fim do Mundo
Com participação de Linn da Quebrada, a cantora Clarice Falcão lançou um clipe inédito e pós-apocalíptico, que tem como mote o depois do depois do fim do mundo. O trabalho, que alterna a energia e o desgaste das baladas de música eletrônica, mistura a linguagem do telejornalismo a avatares digitais e uma estética mecânica e robotizada. A produção, assim como a mixagem e a masterização, foi feita por Lucas Paiva à distância, respeitando o isolamento social. 

MÚSICA
Não tem Bacanal na Quarentena
Nove faixas produzidas em três dias de confinamento em casa compõem o EP do rapper baiano Baco Exu do Blues. A poesia ativista contra o racismo, o tédio e a desinformação, que influenciou a pintura do artista carioca Maxwell Alexandre, ganha o timbre sombrio da pandemia. As letras falam da indignação com as ações do governo diante da crise sanitária, da falta de dinheiro, de trabalho, da fome, do medo da doença, da vontade de viver e de luta. O nome do EP faz alusão ao título do terceiro álbum de estúdio do rapper, Bacanal, que teve as gravações interrompidas. 

Imagem de divulgação do programa Opinião Nacional (Foto: Reprodução)

TV
Opinião Nacional
Na quarta, 22/4, às 22h15, o programa da TV Cultura realiza um debate sobre como o coronavírus está atingindo a população indígena no Brasil. Nesta edição, a apresentadora Andresa Boni recebe a médica sanitarista Sofia Mendonça, coordenadora do Projeto Xingu, da Unifesp, e a antropóloga Manuela Carneiro da Cunha, professora titular aposentada da USP.

Imagem de divulgação da proposta de performance Idade Da Meia-Luz (2020), de Helô Sanvoy (Foto: Cortesia do artista)

PERFORMANCE
Idade Da Meia Luz
O artista Helô Sanvoy convoca o público para uma experiência, no dia 22/4, às 21h, na qual os participantes devem apagar o máximo de luzes ao seu redor e mantê-las desligadas até ter vontade de acendê-las novamente. A ação transita entre o universo coletivo e o individual, trazendo para a discussão como a performance e os projetos colaborativos podem ser pensados neste momento. 

Logo do projeto Book As Exhibition (Foto: Reprodução)

ESPAÇO INDEPENDENTE
Book As Exhibition
Com o objetivo de ampliar as possibilidades do que se entende por exposição e assegurar um local de experimentação para os artistas, o Book As Exhibition [Livro Como Exposição] analisa de que maneira as duas mídias atuam como espaços de produção e armazenamento de conhecimento. O projeto, fundado neste ano, amplia a noção de instituição de arte e faz eco a práticas conceituais de artistas dos anos 1960, que também usavam os meios gráficos para a circulação de suas ideias. 

Lunar (2002), instalação de Regina Silveira no Paço das Artes (Foto: Divulgação / Cinthia Bueno)

INSTITUIÇÃO
Paço Em Todo Lugar
A instituição apresenta uma série de ações educativas e interativas pensadas especificamente para este momento de isolamento. O programa Paço Em Todo Lugar inclui publicações de catálogos online, encontros com artistas, análises de exposições já realizadas nas diferentes sedes do espaço, e cursos online, a exemplo de Poesia Visual Agora, no qual o artista Lucio Agra analisa a obra de Lenora de Barros dentro da tradição de poesia visual produzida no Brasil. 

Imagem de divulgação do Festival Na Janela (Foto: Doivulgação)

LITERATURA
Festival Na Janela
A Companhia das Letras apresenta, entre 24 e 26/4, uma série de conversas em torno da ficção nacional com dez autores publicados pela editora. Na programação, estão previstos bate-papos entre Jarid Arraes e Paulo Scott, no dia 24/4, Carol Bensimon e Michel Laub, no dia 25/4, e Ana Paula Maia e Daniel Galera, no dia 26/4. Os eventos serão transmitidos pelo Instagram e Youtube.

R. Oliveira & L. Cesário, Rio de Janeiro 2019, fotografia de Rodrigo Oliveira (Reprodução)

FOTOGRAFIA
Vida Queer
O fotógrafo Rodrigo Oliveira retrata a vida da população queer nas favelas do Rio de Janeiro, misturando narrativas pessoais e domésticas com histórias públicas e anônimas. Raça, gênero, sexualidade e classe são discutidos nessas imagens produzidas em encontros anteriores à Covid-19, trazendo a reflexão sobre como as implicações políticas do cenário atual devem impactar essa população.

A artista Maria-Caroline Hominal Instagram da Casanova Arte Galeria (Foto: Reprodução)

VIDEOPERFORMANCE
Marie Caroline Hominal
A artista suíça Marie-Caroline Hominal transformou o Instagram da galeria Casanova Arte Contemporânea em espaço expositivo para a difusão de uma série de videoperformances. As ações – que vão desde gestos cotidianos, que se valem do tempo limitado dos stories da rede social para sua realização, até leituras e coreografias em espaços vazios – serão divulgadas até 26/4.

Tags: , , , , , , , , , , , , , ,

Artigo anterior:
Próximo artigo:

Nota de esclarecimento A Três Comércio de Publicações Ltda. (EDITORA TRÊS) vem informar aos seus consumidores que não realiza cobranças por telefone e que também não oferece cancelamento do contrato de assinatura de revistas mediante o pagamento de qualquer valor. Tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A Editora Três é vítima e não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças, informando aos seus clientes que todas as medidas cabíveis foram tomadas, inclusive criminais, para apuração das responsabilidades.