Agenda do fim do mundo (6 a 13/10)

Ativação na obra de André Komatsu e outros destaques da semana

Da redação

Publicado em: 06/10/2021

Categoria: Agenda, Destaque

Foto: Coletivo Ali:Leste | Divulgação

Eu
que só acredito nas auréolas dos meus mamilos
e conservo brancas
só as paredes de casa
e as linhas que enfio no meu nariz
odeio que me chamem de anjo.
Eu
que só o que quero
é fogo.
Regina José Galindo (1947- ), em Eu Não Sou A Pizarnik

PERFORMANCE
Corpo Manifesto, do Coletivo Ali:Leste
Neste sábado, 9/10, às 11h e 15h, a instalação de André Komatsu no Octógono da Pinacoteca, Noite Longa, é ativada pelo grupo de artistas da Escola Ali:Leste. A performance pretende transformar o espaço expositivo em um ponto de encontro para vozes plurais. Espalhados pela exposição, mas todos voltados para a parede, os integrantes do coletivo – Eliza Schiavinato, Lueji Abayomi, Lauresia (Laura Melo), Tom Guerra, Jamie Fraser, Jefferson de Sousa, William Ferreira e Euller Fernandes – recitam, em uníssono, a interpretação do que é democracia para cada um, criando assim uma manifestação cacofônica no espaço expositivo da Pina_Luz.

Vista da exposição de Flora Rebollo | Divulgação

EM CARTAZ
Projeto Vênus
O espaço apresenta três mostras simultâneas: Cinco Pontas reúne pinturas e objetos de Flora Rebollo na galeria da Travessa Dona Paula. A curadora, Julia Coelho, escreve, sobre o uso predominante de grafite pela artista, que “o grafite é um bom condutor de energia. Ele faz a mediação entre fluxos de pensamento e suas manifestações visuais, transmitindo em sua passagem pelo papel noções de ritmo e velocidade”. Em sua primeira individual na galeria paulistana, Rebollo transforma a Vênus em um campo mágico energético, de corpos humanos e nem tão humanos assim. Camile Sproesser e AVAF ocupam o novo endereço da galeria, chamado Lanterna Mágica, com intervenção de pinturas e colagens realizadas diretamente no novo espaço, ampliação do projeto na mesma travessa.

Procession to 2nd Site (2020), de Chip Thomas | Divulgação

Birico – Poéticas Autônomas em Fluxo
Dentre lambes, fotografias, intervenções e peças gráficas, o grupo de artistas que integra ou colabora com o coletivo foi criado para dar suporte e gerar renda emergencial aos artistas e pessoas em situação de vulnerabilidade, convivendo na região da Luz e na chamada cracolândia, frente à atual crise sanitária. Os trabalhos da mostra criam ressonâncias do combate às desigualdades, valorizando as diversas identidades e formas de existência no centro da capital paulista. A articulação entre o coletivo e as iniciativas solidárias presentes neste território valorizam o convívio, o reconhecimento da alteridade e a promoção da cidadania. Agendamento pelo site do Sesc Bom Retiro, até 27/2/2022.

Pensione Seguso #6, de Gustavo Rezende | Divulgação

Pensione Seguso, de Gustavo Rezende
“É um comentário acerca do isolamento e da incomunicabilidade cada vez mais característicos da contemporaneidade. São temas que no contexto pandêmico ganham contornos ainda mais evidentes.”, Ana Carolina Ralston, autora do texto crítico, sobre o título da mostra. Inaugurando aparição na galeria Verve, o artista revisita fotografias do rolo da câmera de seu celular tiradas durante uma viagem a Veneza, para criar seis retratos recortados em metal. O resultado faz referência à estética dos filmes de Michelangelo Antonioni, na relação entre imagem e texto cinematográficos, e ainda discorre sobre a realidade em que os retratados, muitas vezes anônimos ou refugiados, tornam-se personagens cada vez mais comuns de um mundo hiperconectado. Em cartaz até 23/10. 

Objeto Horizonte na estação Sé do Metrô de São Paulo | Foto Karina Bacci

10a Mostra 3M de Arte
Através do tema Lugar Comum: Travessias e Coletividades na Cidade, a edição do evento, com curadoria de Camila Bechelany, explora a relação de cada pessoa como participante ativa e receptiva no meio urbano, como agentes de mudança do espaço público. A mostra apresenta, até 30/10, obras em parques públicos de Campinas, Guarulhos e estações de metrô de São Paulo, incentivando o público a reflexões sobre a relação entre coletividade e sociedade. Neste mês, o Parque Portugal, em Campinas, recebe obras do artista Rafael RG, O Brilho da Liberdade Diante dos Seus Olhos e Astral. A edição também conta com série de bate-papos online, disponíveis no canal da Mostra no Youtube, entre a curadora, artistas participantes do evento e convidados.

Ensaio Sobre a Curva no. 8 (2017), de João Trevisan | Foto Divulgação

Das Conversas Noturnas, de João Trevisan
Com curadoria de Bené Fonteles, a mostra apresenta cerca de 20 obras, entre esculturas, pinturas e desenhos, que articulam relações de tensão, equilíbrio, materialidade, memória e impermanência. O artista, que caminha pelas linhas férreas ao lado de sua casa em Brasília, coleta materiais como madeira e peças de ferro descartados para fazer uso em sua produção. O ato de caminhar, além de parte do processo produtivo, estabelece uma relação performática com seu trabalho. “João trilha um alfabeto original de memória, materialidade e impermanência, formatando sua obra em vários suportes e linguagens, que têm sempre seu corpo como gramática e poética.”, escreve o curador. Na Galeria Raquel Arnaud. Até 30/10. 

Rodrigo Silveira | Foto Joao Paulo Mantovani

Tipologia de uma Segunda Vida, de Rodrigo Silveira
O designer, que trabalha com madeira desde 2005, apresenta 12 peças que constroem uma narrativa sobre o processo de queda das árvores, na Casa de Vidro Lina Bo Bardi. “Eu entendi que o trabalho não começa na oficina, mas na floresta, na transformação de um ser poderoso em uma peça subserviente”, conta ele. A exposição convida para uma reflexão sobre o meio ambiente e a forma de extrativismo atual. Segundo o curador, Waldick Jatoba, a mostra explora o processo manual e o conceito por trás de toda criação de Silveira. Mais do que produzir o objeto em si, seu pensamento está no processo. Além de integrar a programação da Semana de Design de São Paulo, de 3 a 10/10, a individual marca a reabertura do Instituto como espaço expositivo para mostras temporárias, que ficou fechada desde março de 2020, devido à pandemia. Até 23/10.

Obra de Lucas Quintas | Foto Divulgação

ÚLTIMOS DIAS
Cadernos de Artista
Encerra neste sábado, 9/10, mostra no anexo LONA Galeria em São Paulo. A exposição coletiva, composta por 23 artistas, é resultado da necessidade de explorar outros suportes para a expressão artística. Desta forma, a galeria encomendou cadernos em branco e entregou para os participantes, podendo assim assumir distintas finalidades: suporte para teste de materiais e técnicas, bloco de notas, diário visual, entre outras. A ideia de um projeto com cadernos de artistas partiu do responsável pela LONA, Duilio Ferronato, mas só se concretizou a partir de um encontro, com Eder Ribeiro, que trabalha na orientação de diversos artistas e se juntou à exposição assumindo a curadoria. A mostra pode ser acessada virtualmente, pelo site da galeria, ou presencialmente com agendamentos via WhatsApp (11) 99403-0023.

INSCREVA-SE

Foto Juliana Monteiro Carrascoza

#MAMcursos
Estão abertas as inscrições para os cursos online do mês de outubro do MAM-SP. Arte, Moda e Suas Relações, ministrado por Lorenzo Merlino, localiza e relaciona características entre a história da moda e a história da arte, fazendo uma análise crítica e inter-relacional entre ambas em uma exposição cronológica. Início em 14/10, às 19h. Encontros entre a Fotografia e a Literatura, com Juliana Monteiro Carrascoza, parte de livros de fotografia e textos literários, para convidar os participantes a ampliar suas reflexões e olhar sobre a fotografia como linguagem artística, texto e processo de construção poética sobre as relações cotidianas. Início em 15/10, às 19h. Por fim, Arte e Ciência: a Luz, o Espaço e o Tempo, com Denise Gadelha e Gabriela Barreto Lemos, estabelece diálogo entre uma artista e uma cientista para propor diferentes concepções de luz, espaço e tempo ao longo da história ocidental, no período compreendido entre a Idade Média e o Modernismo. A partir de 19/10 às 19h. Inscrições pelo site do Museu.

Capa de Eu Não Sou A Pizarnik | Foto Divulgação

LITERATURA
Eu Não Sou A Pizarnik
O livro reúne poemas escritos entre 1999 e 2021 da artista visual e poeta guatemala, Regina José Galindo. O compilado oferece uma produção poética desconcertantemente alinhada com o um projeto performático. Os limites do corpo, as marcas traumáticas, a necropolítica, a raiva como combustível do movimento e a insistência em manter-se viva e respirando, são alguns dos mergulhos possíveis para o leitor. Prefácio e tradução da poeta e curadora Julya Vasconcelos. Pré-venda no site da Edições Flecha, 206 págs., R$ 60,00.

Tags: , ,

Artigo anterior:
Próximo artigo:

Nota de esclarecimento A Três Comércio de Publicações Ltda. (EDITORA TRÊS) vem informar aos seus consumidores que não realiza cobranças por telefone e que também não oferece cancelamento do contrato de assinatura de revistas mediante o pagamento de qualquer valor. Tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A Editora Três é vítima e não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças, informando aos seus clientes que todas as medidas cabíveis foram tomadas, inclusive criminais, para apuração das responsabilidades.