Agenda Para Adiar o Fim do Mundo (8 a 15/6)

Live sobre o próximo curso da seLecT, individual de Rafa Bqueer, Laura Vinci e Denise Milan estão entre os destaques da agenda

Da Redação

Publicado em: 08/06/2022

Categoria: Agenda

Na foto, da esq. para dir., Nina Rahe, Nina Lins, Leandro Muniz e Paula Alzugaray na redação seLecT

Escreva com a Redação da seLecT
Que tal vivenciar o ambiente de trabalho na Redação da revista em um curso online? Essa é a proposta do Laboratório de Escrita Crítica e Editorial, que propõe exercícios práticos e discussões para estimular os participantes a transitar por diferentes abordagens de um mesmo objeto analisado. Reportagem, crítica de arte e curadoria editorial são os formatos de escrita propostos. Amanhã, quinta 9/6, às 18h30, Leandro Muniz e Daniela Labra se reúnem virtualmente para apresentar e responder dúvidas sobre o próximo curso Zait_seLecT, ministrado por Muniz, Paula Alzugaray e Nina Rahe. A oficina acontece nos dias 21/6, 23/6, 30/6, 7/7 e 14/7, das 19h às 21h30. Acompanhe a transmissão no facebook @revistaseLecT e youtube seLecTV.

Obra de Rafael Bqueer [Foto: Piti Tomé/Divulgação]

ABERTURAS
Boca Que Tudo Come, de Rafael Bqueer
Conhecida por performances, fotos e vídeos, a artista apresenta esculturas e objetos tridimensionais inéditos a partir de sábado 11/6, na C. Galeria, no Rio. As cerca de dez obras tratam do universo Drag Themonia, da luta por questões raciais e de gênero e do Carnaval. “Meu trabalho percorre o universo das escolas de samba e da cultura drag. Estes novos trabalhos trazem o universo da fantasia, dos adereços e da maquiagem”, diz Bqueer. Paetês, pedrarias e tecidos diversos que fizeram parte do Carnaval de 2022 e foram doados pela Escola de Samba Grande Rio, onde ela desfilou. No dia da abertura, às 17h, acontece visita guiada pela mostra.

Série Sonhos Yanomami (2002), de Claudia Andujar [Foto: Galeria Vermelho/Divulgação]

Claudia Andujar e os Yanomami
Com curadoria de Sandra Tucci, instalação imersiva com obras da fotógrafa suíça ocupa Senac Lapa Scipião, até 26/8. Conhecida por seu profundo e extenso projeto fotográfico com o povo Yanomami, Andujar tem apresentos diversos momentos de sua carreira, que tem como procedimento a experimentação (uso de vaselina nas lentes da câmera; filme infravermelho; interferências gráficas; uso de filme preto e branco e filtros coloridos) e o ato de re-fotografar suas próprias imagens com filtros coloridos. Entrada gratuita.

Eclipse 1 a 6 (2022), de Feco Hamburger [Foto: Divulgação]

Eclipse, de Feco Hamburger
Com abertura nesta quinta-feira, 9/6, na Janaina Torres Galeria, a mostra apresenta trabalhos inéditos do artista, que reafirmam seu interesse em discutir a natureza, a ciência e a fotografia enquanto linguagem. ”Ao longo de mais de 20 anos de carreira consistente, Hamburger chama atenção para o caráter especulativo da fotografia, ao utilizar dispositivos, processos e protocolos fotográficos para a modelagem do mundo, ao invés de apenas registrá-lo”, escreve Icaro Ferraz Vidal Jr., curador da mostra. Em novembro deste ano acontece a inauguração de uma galeria permanente do artista, chamada Fenômenos no Mundo, no SESI Lab, em Brasília, projeto que busca promover a conexão entre arte, ciência e tecnologia.

Ramo, da série Maquinamata (2022), de Laura Vinci [Flavio Freire/Divulgação]

Maquinamata, de Laura Vinci
A partir de quinta-feira, 9/6, a individual, na Galeria Nara Roesler Rio de Janeiro, reúne um singular conjunto de esculturas cinéticas inéditas que exploram relações entre o universo mecânico e o natural. Com texto de Felipe Scovino, a exposição evidencia o caráter dúbio e instigante dos trabalhos apresentados por Vinci, que aliam pequenos motores com estruturas de folhas e galhos naturais feitos em latão. A natureza que se faz presente na poética da artista aponta para a urgência de criação de novos paradigmas para os modos como percebemos e nos relacionamos com aquilo que chamamos ainda de mundo natural.

Phebolitos (2021 – 2022), de Rogério Reis [Foto: Divulgação]

Onde Está o Sujeito?, de Rogério Reis
O Centro Cultural Justiça Federal abre neste sábado, 11/6, mostra panorâmica do trabalho do fotógrafo brasileiro, que transita entre o fotojornalismo e a arte. A individual marca 45 anos de trajetória de Reis, apresentando cerca de 100 obras distribuídas em nove séries que formam uma antologia de sua produção. Além de fotos, ensaios, vídeos e objetos, a mostra traz trabalhos inéditos realizados durante o período pandêmico como Exaustão, Phebolitos, Encobertos e outros ressignificados especialmente para a mostra. Curadoria de Evandro Salles.

Vista de Desfolharei Meus Olhos Neste Escuro Véu, na Almeida & Dale Galeria [Foto: Divulgação]

EM CARTAZ
Desfolharei Meus Olhos Neste Escuro Véu
A Almeida & Dale Galeria apresenta, até 2/7, cerca de 50 obras do pintor cearense Antonio Bandeira. “Na primeira sala, reunimos pinturas escuras, entre paisagens noturnas e composições em que a cor preta predomina; na segunda, a cor azul invade as cidades e paisagens pintadas por Bandeira. E nas outras salas, as árvores, por exemplo, surgem multicoloridas. A seleção de obras vai se costurando pelos autorretratos produzidos pelo artista em diferentes momentos de sua trajetória”, diz a curadora Galciani Neves. Completa a mostra uma áudio-instalação realizada pelo artista João Simões, que convida o visitante a divagar pelas obras de Bandeira.

Sem Título (1947), de Haydea Lopes Santiago [Foto: Everton Ballardin/Divulgação]

Mulheres Artistas: nos Salões e em Toda Parte
”São várias as artistas brasileiras não pontuadas pela história da arte”, afirma Ana Paula Cavalcanti Simioni, curadora da mostra em cartaz na galeria Arte132, em São Paulo, até 30/7. Com obras de Aurélia Rubião, Bellá Paes Leme, Dorothy Bastos, Georgina de Albuquerque, Haydéa Lopes Santiago, Lucília Fraga, Miriam Chiaverini, Lucci Citty Ferreira, Yvone Visconti Cavalleiro, entre muitas outras, a exposição propõe reavaliação da história e produção de artistas ofuscadas pelo machismo na arte, parte delas egressas da Academia, e em sua maioria com participações constantes nos Salões da primeira metade do século 20.

Banquete Magmático, de Denise Milan [Foto: Sergio Coimbra/Divulgação]

Petrafagia, de Denise Milan
”Em muitas culturas do mundo, as pedras e os cristais representam uma conexão com uma forma mais antiga e profunda de conhecimento e, na obra da artista, muitas vezes vemos cenas dramáticas nas quais as forças geológicas – envolvidas em conflitos, suspensões e resoluções – servem como metáforas, ou, antes, metonímias, das forças que moldam a nossa consciência”, analisa Gabriel Pérez-Barreiro, curador da exposição individual na DAN Contemporânea, até o dia 30/6. Em parceria com o fotógrafo Sérgio Coimbra, a mostra apresenta a série Banquete Magmático, composta por múltiplos objetos dispostos sobre uma mesa, como em um banquete de diferentes texturas, cores, brilhos e transparências. 

[Foto: Divulgação]

LITERATURA
Duas Feiras do Livro
De 8 a 12/6, leitores, autores e editoras ocupam a Praça Charles Miller, em São Paulo, com o melhor da produção editorial brasileira. São mais de 45 convidados nacionais e internacionais e 120 editoras, livrarias e instituições ligadas ao livro e à leitura, como Todavia, Elefante, Boitempo, Ubu, Veneta, entre outras. A iniciativa é da Associação Quatro Cinco Um, instituição sem fins lucrativos voltada para a difusão do livro no Brasil, e da Maré Produções, empresa responsável pela realização de importantes exposições de arte no país. Também, neste sábado, 11/6, o MAM Rio realiza a 1ª edição da Feira de Livros do museu, reunindo editoras e livrarias especializadas em publicações de arte, fotografia, não-ficção e literatura. Na ocasião, às 15h, é lançada A Memória é uma Invenção, publicação resultante da exposição de mesmo título, apresentada em 2021. O evento inclui conversa pública, oficina gráfica do projeto Zona Aberta e programação especial da Cinemateca do MAM.

Visitação durante a primeira edição do evento Pavilhão aberto 2022 [Foto: Levi Fanan / Fundação Bienal de São Paulo]

NÃO PERCA
Pavilhão Aberto 2022
Neste sábado, 11/6, acontece o segundo encontro do programa da Fundação Bienal de São Paulo que trata da preservação, modernização e dos usos contemporâneos do patrimônio histórico e arquitetônico do Pavilhão do Ibirapuera. Com o tema Urbanidades Possíveis, o evento conta com uma conversa com a arquiteta Louise Lenate Ferreira da Silva, às 11h; uma visita ao Pavilhão com a equipe de Educação, às 14h; e uma oficina de dança free step para crianças com o grupo Crossover, às 15h. Todas as atividades são gratuitas.

Nota de esclarecimento: A Três Comércio de Publicações Ltda., empresa responsável pela comercialização das revistas da Três Editorial, informa aos seus consumidores que não realiza cobranças e que também não oferece o cancelamento do contrato de assinatura mediante o pagamento de qualquer valor, tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A empresa não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças.