Alô, alô, marciano

Mostra na Casa Nova Arte evoca temática alienígena para refletir sobre desilusões e incertezas do mundo contemporâneo

Felipe Stoffa
Trabalho do artista suíço Olaf Breuning que integra a exposição (Foto: Cortesia Olaf Breuning/ Casa Nova Arte)

Foi durante o regime comunista da União Soviética que artistas russos decidiram entrar em vivo contato com alienígenas e convocá-los à Terra. O poeta Velimir Khlebnikov e, posteriormente, o intelectual Viktor Shklovsky produziram manifestos com forte apelo extragaláctico, isso sem contar com o apoio e a influência de alguns artistas construtivistas. As chamadas à alienação integravam propostas futuristas no contexto das utopias socialistas do início do século 20.

Ilustração baseada no romance Guerra dos Mundos, de H. G. Wells, feita em 1906 por Henrique Alvim Corrêa (Foto: Divulgação)

Ilustração baseada no romance Guerra dos Mundos, de H. G. Wells, feita em 1906 por Henrique Alvim Corrêa (Foto: Divulgação)

Agora, no século 21, décadas depois dos muitos projetos de mundos possíveis, quando não nos sobra nada além de incertezas e desilusões, outras formas de fuga parecem novamente sedutoras. Com curadoria de Jane de Almeida, exposição na Casa Nova Arte apresenta obras que vão além do fato de flertar com temáticas alienígenas, mas falam da falta de confiança na humanidade em enfrentar as diversas crises do mundo contemporâneo.

A curadoria selecionou obras de cinco artistas que trabalham com a temática: David Medalla, Fernando Duval, Henrique Alvim Corrêa, Kiluanji Kia Henda e Olaf Breuning. Vale atenção dobrada para o brasileiro Alvim Corrêa (1876-1910), que ilustrou uma edição especial do famoso romance Guerra dos Mundos, escrito pelo inglês H. G. Wells em 1906. As ilustrações não somente chegaram à mesa do escritor como também impressionaram e serviram de inspiração para o filme homônimo dirigido pelo mestre hollywoodiano Steven Spielberg.

Outro inédito na mostra é a obra do angolano Kiluanji Kia Henda, Good Guys and Bad Guys (da série Restless, 2016). São dez serigrafias com intervenções produzidas a partir de stills do documentário Bad Guys, Good Guys, lançado pela CNN em 1999. A ideia é mostrar algumas das consequências ocasionadas pela Guerra Fria no território africano. A partir das interferências que o artista realiza nas imagens – transformando faces humanas em semblantes alienígenas –, ele nos mostra que cidadãos ordinários também são extraterrestres quando imersos em um ambiente de lutas e forças políticas. A mostra oferece um refresco às diversas ansiedades que nos tomam atualmente. E como os russos, nos faz indagar que evocar o Além parece ser um dos únicos caminhos possíveis.

Detalhe do trabalho de Kiluanji Kia Henda - Good guys and bad guys, da série da Restless (2016) (Foto: Kiluanji Kia Henda/Casa Nova Arte)

Detalhe do trabalho de Kiluanji Kia Henda – Good guys and bad guys, da série da Restless (2016) (Foto: Kiluanji Kia Henda/ Casa Nova Arte)

Serviço
Ulla! Ulla! Ulla! Ulla! Marcianos, Intergalácticos e Humanos
Casa Nova Arte e Cultura Contemporânea
Rua Chabad, 64, Jardim Paulistano, São Paulo
Até 5/11
Tel.: (11) 2305 2427

Nota de esclarecimento A Três Comércio de Publicações Ltda. (EDITORA TRÊS) vem informar aos seus consumidores que não realiza cobranças por telefone e que também não oferece cancelamento do contrato de assinatura de revistas mediante o pagamento de qualquer valor. Tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A Editora Três é vítima e não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças, informando aos seus clientes que todas as medidas cabíveis foram tomadas, inclusive criminais, para apuração das responsabilidades.