Altar para a morte

Individual de Daniel Lie traz instalação sobre fim da vida e inaugura programação de 2018 da Casa Triângulo, que comemora 30 anos de existência

Luana Fortes
Vista da exposição de Daniel Lie na Casa Triângulo (Fotos: Divulgação)

Ao longo de 2018, a Casa Triângulo apresenta intensa programação para comemorar seus 30 anos de atividades. Estão previstas exposições de Rodolpho Parigi, Manuela Ribadeneira, AVAF, Ivan Grilo, Lucas Simões, Albano Afonso, Alex Cerveny, Daniel Acosta e Daniel Lie, que inaugura a agenda com individual. Lie também celebra 30 anos de idade em 2018. Sua mostra acontece durante a quaresma, período que antecede a celebração da ressurreição de Cristo, e é construída como uma espécie de altar para a morte. Diferente de como o fim da vida é entendido pela concepção ocidental, Lie trata-o como uma expansão da experiência do sentir. “A morte é energia e tem uma relação intrínseca com a vida”, diz o artista à seLecT. Filhxs do Fim é tanto o título da exposição quanto o da grande instalação que a compõe. Ocupando a sala principal da galeria, o trabalho traz uma combinação de elementos naturais, como flores, sementes e fungos, que exaltam a impermanência das coisas. Enquanto alguns desses elementos caminham na direção da morte, outros brotam ou proliferam. O público é convidado a vivenciar esse ambiente e refletir sobre o fim como um novo nascimento. Entre as referências de Lie, simbologias de rituais africanos e asiáticos são recorrentes. “Meu interesse e meu respeito por ambas vêm da busca por uma ancestralidade mais próxima”, conta.

  • Vista da instalação Filhxs do Fim
  • Detalhe
  • Detalhe

Serviço
Filhxs do Fim, Daniel Lie
Até 24/3
Casa Triângulo
Rua Estados Unidos, 1.324 – São Paulo
casatriangulo.com

Artigo anterior:
Próximo artigo:

Nota de esclarecimento A Três Comércio de Publicações Ltda. (EDITORA TRÊS) vem informar aos seus consumidores que não realiza cobranças por telefone e que também não oferece cancelamento do contrato de assinatura de revistas mediante o pagamento de qualquer valor. Tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A Editora Três é vítima e não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças, informando aos seus clientes que todas as medidas cabíveis foram tomadas, inclusive criminais, para apuração das responsabilidades.