Arte e mídia, circuitos dentro de circuitos

Christine Mello

Publicado em: 17/03/2015

Categoria: Da Hora, Debates

Amanhã, dia 18 de março, tem debate sobre a última versão do projeto galeria expandida na Luciana Brito Galeria

Cris_body

galeria expandida é uma plataforma curatorial concebida por mim que reflete sobre a reversibilidade entre circuitos da arte e da mídia. Apresentada pela primeira vez em abril de 2010, na Luciana Brito Galeria, em São Paulo, contou com doze artistas.

O conceito de expansão esteve presente em 2010 nos cruzamentos entre o espaço da galeria e circuitos midiáticos acessíveis no nosso cotidiano (como internet, mídias móveis, televisão, mídia indoor e outdoor, jornal, revistas, cartazes, filipetas, adesivos, transmissões sonoras e camisetas) que integram o universo das redes de comunicação, circuito publicitário e marcas.

Nesta versão, em 2015, galeria expandida reverte o jogo curatorial. À convite da seLecT, conta com a colaboração da equipe da revista e possibilita intervenções artísticas em seu fluxo informacional.

Em sua edição dedicada a curadores, seLecT possibilita que os trabalhos dos artistas Ricardo Basbaum, Paula Garcia e Marcel Darienzo aconteçam entre mídia impressa e online (tablet e site). Com isso, os artistas transformam a revista num espaço expandido ao potencializarem a dimensão social e poética de seu fluxo midiático e ao tecerem alternativas ao discurso hegemônico corrente nesses meios e práticas.

O debate de amanhã, com Ricardo Basbaum, Marcel Darienzo, Paula Alzugaray, Luciana Brito e eu, tem como objetivo questionar circuitos dentro de circuitos. Reflete expansões entre circuitos da arte e circuitos midiáticos, assim como operações curatoriais, artísticas e comerciais de natureza cross media, de caráter propositivo-expositivo.

Serviço:

Data: 18 de março de 2015

Horário: 19hs

Onde: Rua Gomes de Carvalho, 842 – Vila Olímpia, São Paulo – SP

Artigo anterior:
Próximo artigo:

Nota de esclarecimento A Três Comércio de Publicações Ltda. (EDITORA TRÊS) vem informar aos seus consumidores que não realiza cobranças por telefone e que também não oferece cancelamento do contrato de assinatura de revistas mediante o pagamento de qualquer valor. Tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A Editora Três é vítima e não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças, informando aos seus clientes que todas as medidas cabíveis foram tomadas, inclusive criminais, para apuração das responsabilidades.