Assassinato no além do real

redação seLecT

Publicado em: 09/01/2013

Categoria: media reader, o post do dia

Tabloide do futuro? No nosso post do dia “pai chinês contrata assassinos virtuais para matar avatar do filho em World of Warcraft”

World-of-warcraft-evil-1

O nosso post do dia veio do jornal O Globo:

” Incomodado com o excesso de tempo que seu filho desempregado passa jogando o RPG on-line “World of Warcraft”, um pai na China contratou outros jogadores para assassinar o avatar do rapaz no game, publicou o jornal “Sanqin Daily”. Para o pai, identificado como Sr. Feng, matar o personagem do filho Xiao sucessivas vezes faria com que ele desistisse de jogar e procurasse um emprego. O rapaz, de 23 anos, largara um trabalho de desenvolvimento de software apenas três meses depois de contratado e não estaria se esforçando para encontrar outra vaga, segundo o jornal. Buscando eficácia, Feng fez questão de contratar assassinos com níveis superiores ao do filho no game.

Mas a estratégia não deu certo, pois os múltiplos assassinatos não fizeram com que o jovem parasse de jogar. De tanto morrer, aliás, Xiao percebeu que havia algo errado e pressionou um dos assassinos, que admitiu trabalhar para o seu pai. — Eu posso jogar ou não, isso não me aborrece. A verdade é que eu não estou procurando trabalho, pois quero dar um tempo até encontrar um que combine comigo — disse o jovem, segundo o blog asiático do Kotaku, respeitado portal global de notícias sobre games.— Eu nunca havia ouvido falar desse tipo de intervenção e não acredito que ela possa funcionar. A maioria dos casos em que gamers jogam em excesso consiste apenas em um sintoma de um problema maior desconhecido — afirmou à BBC o especialista na relação entre jogos e vício Mark Griffiths, da Universidade de Nottingham Trent.”

Leia mais sobre esse assunto aqui

© 1996 – 2013. Todos direitos reservados a Infoglobo Comunicação e Participações S.A. 

Artigo anterior:
Próximo artigo:

Nota de esclarecimento A Três Comércio de Publicações Ltda. (EDITORA TRÊS) vem informar aos seus consumidores que não realiza cobranças por telefone e que também não oferece cancelamento do contrato de assinatura de revistas mediante o pagamento de qualquer valor. Tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A Editora Três é vítima e não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças, informando aos seus clientes que todas as medidas cabíveis foram tomadas, inclusive criminais, para apuração das responsabilidades.