Através do desenho

Publicado em: 28/09/2015

Categoria: Da Hora

Morto em 2010, Fernando Zafir ganha exposição dedicada a seus desenhos na Luciana Brito Galeria, em São Paulo

Untitled 8

Legenda: Fernando Zarif, Sem título, 1997, acrílica, lápis e papel queimado e colado sobre tela (Cortesia Luciana Brito Galeria)

O disco Titanomaquia, dos Titãs, traz formas geométricas e cores sólidas que lembram telas à la Mondrian. Pouco conhecido pelo grande público, o artista Fernando Zarif realizou a obra que estampa o álbum de 1993, além de ter feito também a arte do trabalho anterior da banda paulista, Tudo ao Mesmo Tempo Agora, de 1991. Morto em 2010, Zarif é tema da exposição “Antes de começar termino”, em cartaz na Luciana Brito Galeria, em São Paulo, até 31 de outubro. 

Mais lembrado dentro do circuito de iniciados e contemporâneo de artistas da Geração 80, Zarif criou, além de capas de discos, pinturas, esculturas, fotografias, performances, concertos, óperas, músicas e videoinstalações. Desde sua morte, sua produção ganhou atenção especial através do Projeto Fernando Zarif, criado em 2011 e dedicado ao restauro e catalogação das obras. Parceira da iniciativa, a galeria paulistana, atual representante do espólio de Zarif, traz parte deste trabalho numa mostra que tem como fio condutor o uso que o artista fez do desenho.

Composta por  15 obras, a exposição revela a importância do desenhar nos processos artísticos de Zarif. O artista plástico José Resende, no livro Fernando Zarif – uma obra a contrapelo (Metalivros, 2014), comenta que “o cerne de sua produção se situa aí, sobretudo no desenho que desenvolve como pintura, colagem, objeto, ou seja, manifesta sua forma de ser, compreender  e se relacionar com o mundo”.    

Serviço

Luciana Brito Galeria
Rua Gomes de Carvalho, 842, Vila Olímpia
Até 31 de outubro
De terça a sexta, das 10h às 19h; sábado, das 11h às 18h

Artigo anterior:
Próximo artigo:

Nota de esclarecimento A Três Comércio de Publicações Ltda. (EDITORA TRÊS) vem informar aos seus consumidores que não realiza cobranças por telefone e que também não oferece cancelamento do contrato de assinatura de revistas mediante o pagamento de qualquer valor. Tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A Editora Três é vítima e não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças, informando aos seus clientes que todas as medidas cabíveis foram tomadas, inclusive criminais, para apuração das responsabilidades.