Bichos cibernéticos

Giselle Beiguelman

Publicado em: 08/01/2014

Categoria: cultura digital, Reportagem

Um exercício sobre analogias entre nomenclaturas entomológicas e informáticas

Entomofobia é o medo desmedido de insetos e artrópodes em geral. Mais comum do que se pensa, deve diminuir, conforme se popularizam as metáforas “insetófilas” no reino computacional. De vírus a enxames, passando por celulares, vermes e parasitas, insetos e outros bichos saem de seus nichos e tomam de assalto o outrora asséptico mundo da tecnologia digital.

Bug

Bug

Em tradução literal é inseto e assombra a história da tecnologia desde Thomas Edison, quando um deles foi responsável por travar o seu fonógrafo, nos idos de 1857. Hoje remete a qualquer problema inesperado que ocorre em computadores, celulares, tevês etc.

Celular

Cell

Tornou-se sinônimo de telefone, mas tem esse nome porque ele explica a base de funcionamento das redes de telefonia móvel: baseadas em células, que definem o raio de alcance de sinal das antenas.

Colmeia

Colmeia

O pensamento de colmeia, ou hive mind, em inglês, remete a processos de consciência coletiva, que são mobilizados quando grupos de pessoas deixam de operar individualmente para compartilhar, dinamicamente, recursos e conhecimentos.

Enxame

Swarm

Bastante conhecido no mundo animal, tornou-se um conceito de sociologia das redes, identificando comportamentos emergentes que brotam a partir de regras simples e são seguidos sem coordenação central. Pense nos trending topics do Twitter que isso fica claro.

Parasita

Parasite

Marca registrada da e-conomia, na qual a riqueza não é necessariamente baseada na produção, mas na capacidade de dar vazão e apropriar-se do que já foi feito. Basta lembrar do programa de busca Google que essa lógica fica compreensível.

Vírus

Virus

Noção herdada da biologia, é hoje um termo recorrente da informática. Define programas com códigos maliciosos e capacidade autorreplicante que danificam outros programas de computador e os modificam. Quem nunca foi vítima que atire a primeira pedra.

Formigueiro

Formigueiro

Do ponto de vista da ciência da computação, é difícil não pensar nos formigueiros como máquinas de computação, otimizando seus algoritmos, por exemplo, para encontrar melhores rotas de alimentos. Isso é o que diz o estudioso da relação entre insetos e mídia, Jussi Parikka.

Superorganismo

Superorganism

Organismo formado por organismos menores, como no caso do formigueiro, em que a manutenção do coletivo depende do trabalho de todos individualmente. O termo se aplica à metodologia de trabalho de vários coletivos contemporâneos.

Verme

Verme

O worm é um programa malicioso que funciona de forma semelhante a um vírus, mas não depende de outro “organismo” (outro programa) para infectar o equipamento.

Web (teia de aranha)

Web

Principal símbolo da cultura contemporânea, a teia é a grande metáfora das redes do século 21 e coloca a aranha no centro da produção simbólica do nosso tempo.

Fonte: Jussi Parikka. Insect Media: An Archaeology of Animals and Technology. Minneapolis: University of Minnesota Press, 2010

*Texto publicado originalmente na edição #13

Artigo anterior:
Próximo artigo:

Nota de esclarecimento: A Três Comércio de Publicações Ltda., empresa responsável pela comercialização das revistas da Três Editorial, informa aos seus consumidores que não realiza cobranças e que também não oferece o cancelamento do contrato de assinatura mediante o pagamento de qualquer valor, tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A empresa não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças.