Caderno de notas: Demonstração por absurdo

Mito de Sísifo embasa curadoria do Arte Atual Festival, em cartaz até 1º/7/2018, no Instituto Tomie Ohtake

Carolina de Angelis, Luise Malmaceda, Paulo Miyada, Priscyla Gomes e Theo Monteiro
S/título (2017/2018), de Arthur Chaves

Primeira consideração: pode ser libertador perceber que muitas das promessas utilizadas para incentivar que nos esforcemos mais são, na verdade, falácias, uma vez que a realização e o sucesso (do modo como são reconhecidos em nossa sociedade) raramente estão nas mãos dos que trabalham com maior resiliência.

Segunda consideração: o filósofo e romancista Albert Camus (1913-1960) afirmava que os mitos são feitos para que a imaginação os anime. No panteão grego, Sísifo teve como condenação de sua imprudência e arrogância a árdua tarefa de rolar montanha acima uma pedra que, ao aproximar-se do cume, caia de volta a seu ponto de origem. O trabalho fatigante demonstrava o absurdo de um enorme dispêndio de energia que resultava em nada, ou quase nada.

Terceira consideração: o trabalho artístico possui uma dimensão expressiva, voltada à alguma alteridade. Uma maneira de concebê-lo é pensar que a arte é uma sequência de presentes não solicitados que os artistas entregam ao mundo. Ainda assim, muitas vezes as obras nunca saem do ateliê do artista, ou nunca chegam a seus possíveis destinatários.

Esta edição do Arte Atual Festival relembra o exemplo de Sísifo: a repetição do gesto sem um fim determinado, que atribui ao condenado a insensatez de ser levado à exaustão eternamente. Essa repetição absurda e o labor incansável que quase sempre recai no mesmo lugar, torna-se uma metáfora de nossos desejos, por vezes sísificos diante de seus destinos.

Para Camus, se o mito parece trágico é porque seus atores se fazem conscientes. É na consciência da artificialidade dos propósitos e justificativas do trabalho que a insistência no gesto pode tornar-se, por um lado, trágica, ou, por outro, liberada para definir seus próprios critérios de sucesso.

A ambiguidade dessa consciência pode ser lida em exemplos mais terrenos, como se diante das mais absolutas armadilhas fosse possível o nascimento dos pensamentos mais livres. Segundo Camus, é o começo irrisório de uma cadeia de gestos cotidianos que tem a capacidade de romper com a mecanicidade da vida. Seria a consciência dos mais variados despropósitos que nos tornaria libertos. É do irrisório e do banal que proveria aquilo que denomina uma das vocações do trabalho artístico: o de aplicar-se concomitantemente em não ser nada e em ser muito.

As práticas artísticas reunidas na exposição demonstram, em muitos casos por contradição e absurdo, que destituir a arte de uma finalidade é um dos meios de conferir potencialidade aos seus processos.

Para a matemática, demonstração por absurdo é uma prova de que algo é falso pela comprovação de que seu inverso é verdadeiro. Trata-se de um método considerado bruto, deselegante, por chegar a seu objetivo por vias não construtivas. Na arte brasileira, que presa tanto por sua clareza formal e pela chamada “vontade construtiva”, é raro que nos debrucemos para apostas como as trazidas por esses artistas. São atitudes que se movem pelo desejo de fazer, investigar, questionar e que podem, por vezes, serem lidas como uma teimosia algo arbitrária e ilógica. Porém, é no desvelar de seus processos, que suas dispendiosas apostas revelam-se tão potentes ao choque com a hostilidade do contexto presente.

Artigo anterior:
Próximo artigo:

Nota de esclarecimento A Três Comércio de Publicações Ltda. (EDITORA TRÊS) vem informar aos seus consumidores que não realiza cobranças por telefone e que também não oferece cancelamento do contrato de assinatura de revistas mediante o pagamento de qualquer valor. Tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A Editora Três é vítima e não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças, informando aos seus clientes que todas as medidas cabíveis foram tomadas, inclusive criminais, para apuração das responsabilidades.