Cannabrava prepara Festival do Valongo

A primeira edição do Valongo Festival Internacional da Imagem, projeto voltado para a expansão da imagem contemporânea, acontece em Santos

Luciana Pareja Norbiato e Paula Alzugaray
Barco no porto de Santos, onde acontece o Valongo Festival Internacional da Imagem (Foto: Iatã Cannabrava)

Depois de dirigir dez edições do Paraty em Foco – Festival Internacional de Fotografia, Iatã Cannabrava decidiu deslocar-se para outro sítio colonial. Agora seu foco é Santos (SP), onde tem prevista para outubro a estreia do Valongo Festival Internacional da Imagem, projeto voltado não só para a fotografia e o vídeo, mas para a expansão da imagem contemporânea. Entre 12 e 16/10 acontecem, além de oito mostras de expoentes mundiais da vertente imagética, workshops, palestras, encontros e entrevistas. As exposições contam com pesquisa e seleção do espanhol Horácio Fernandez. Assim como o antecessor fluminense, o charme do Valongo Festival fica por conta das sedes do evento: sítios históricos como o Porto de Santos (o principal do Brasil), a Casa da Frontaria Azulejada, a Cadeia Velha e, claro, o Santuário de Santo Antônio do Valongo. Ao contrário do cais de mesmo nome no Rio de Janeiro, usado para o comércio de escravos, o Valongo santista era uma região ocupada pela elite da cidade quando da construção da igreja, em 1640. Alguns dos projetos serão realizados ao ar livre e outros darão ao público a oportunidade de conhecer o interior de prédios históricos que normalmente estão fechados para visitação. “O Valongo vai ser tomado pela imagem”, diz Iatã Cannabrava à seLecT. Uma oportunidade e tanto para dar um mergulho em novas tendências da produção contemporânea e, de quebra, conhecer o patrimônio histórico de uma das cidades mais antigas do País.

Artigo anterior:
Próximo artigo:

Nota de esclarecimento A Três Comércio de Publicações Ltda. (EDITORA TRÊS) vem informar aos seus consumidores que não realiza cobranças por telefone e que também não oferece cancelamento do contrato de assinatura de revistas mediante o pagamento de qualquer valor. Tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A Editora Três é vítima e não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças, informando aos seus clientes que todas as medidas cabíveis foram tomadas, inclusive criminais, para apuração das responsabilidades.