Carlos Zilio e Alberto Martins na Galeria Raquel Arnaud

Simultaneamente, exposições reúnem cerca de vinte trabalhos de Zilio e 15 esculturas inéditas de Alberto Martins

Publicado em: 04/11/2016

Categoria: Agenda

Escultura de Alberto Martins que integra a exposição (Foto: Divulgação)

Para fechar o calendário de 2016, a Galeria Raquel Arnaud apresenta Carlos Zilio 1973/1977. A mostra reúne cerca de vinte trabalhos em pintura, fotografia, desenho e objetos realizados pelo artista em um dos períodos mais obscuros na história do país. Participante das principais exposições brasileiras da década de 1960, entre elas “Opinião 66” e “Nova Objetividade Brasileira”, Zilio teve durante este período uma intensa atuação política. “Seus trabalhos, inicialmente vinculados à chamada Nova Figuração Brasileira, tornam-se mais sintéticos a partir de 1973, mas sem perder o teor crítico. Suas instalações criam situações que se aproximam das experiências da arte conceitual”, aponta o professor de história da arte Guilherme Bueno. E são justamente as obras desse período que foram selecionadas pela crítica Luisa Duarte, curadora da exposição.

Já no segundo piso da galeria o público encontra a exposição Lascas, de Alberto Martins. A mostra conta com cerca de 15 esculturas inéditas produzidas a partir de chapas de metal pintadas de preto ou em estado natural e pranchas de madeiras com sulcos variados, que aprofundam as investigações do artista no que diz respeito à gráfica, o relevo, a escultura e a poesia.

Serviço
Carlos Zilio 1973/1977 e Alberto Martins – Lascas
Galeria Raquel Arnaud
Rua Fidalga, 125, Vila Madalena, São Paulo
De 5/11 até 14/1/2017
De segunda a sexta-feira, das 10h às 19h; sábados, das 12h às 16h
Tel.: (11) 3083 6322

Nota de esclarecimento A Três Comércio de Publicações Ltda. (EDITORA TRÊS) vem informar aos seus consumidores que não realiza cobranças por telefone e que também não oferece cancelamento do contrato de assinatura de revistas mediante o pagamento de qualquer valor. Tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A Editora Três é vítima e não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças, informando aos seus clientes que todas as medidas cabíveis foram tomadas, inclusive criminais, para apuração das responsabilidades.