Carro como serviço

Porto Digital do Recife inaugura experiência de aluguel de carros pela quantidade de horas utilizadas

Guilherme Kujawski

Publicado em: 31/01/2014

Categoria: Da Hora, Notícias Quentes

Vista aérea do Porto Digital, que vai ampliar o Projeto Porto Leve com a introdução de um serviço de carsharing (foto: Divulgação)

O serviço de carsharing, modelo de aluguel de veículos em que o cliente aluga o carro pela quantidade de horas utilizadas, ainda engatinha no Brasil. Lá fora, já é usual. Segundo o tecnólogo pernambucano Silvio Meira, essa é a uma área repleta de possibilidades de inovação: basta transformar o modelo de “carros-serviço” em “carro-como-serviço”, ou seja, simplificar ao máximo o “pegar e largar” dos veículos, como o sistema de bicicletas públicas.

Por enquanto, espera-se a introdução definitiva no país dos “carros-serviço”, no rastro da Zazcar. E isso já está começando. Em parceria com a Fiat, o Porto Digital, parque tecnológico do Recife, vai inaugurar em breve seis estações de empréstimos de veículos. Na fase inicial, os usuários podem retirar os carros modelo Fiat 500 em seis estações da cidade: três no perímetro do Porto Digital; uma na estação central de metrô da cidade; e duas em shopping centers próximos ao Porto Digital.

A experiência vai abrir um leque de possibilidades. Por exemplo, quando for regularizada a utilização dos veículos elétricos no país, os carros movidos a gasolina e/ou álcool poderão ser substituídos, fortalecendo a ideia de transporte sustentável. Há também a possibilidade de melhorar o cadastramento dos usuários, quando a CNH for eletronicamente codificada.

O serviço de carsharing do Porto Digital faz parte do Projeto Porto Leve, que teve um aporte do Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação no valor de cerca de R$ 6 milhões. O serviço de bike sharing já é um sucesso. O projeto dos carros está previsto para começar a funcionar em maio.

Tags: , ,

Artigo anterior:
Próximo artigo:

Nota de esclarecimento A Três Comércio de Publicações Ltda. (EDITORA TRÊS) vem informar aos seus consumidores que não realiza cobranças por telefone e que também não oferece cancelamento do contrato de assinatura de revistas mediante o pagamento de qualquer valor. Tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A Editora Três é vítima e não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças, informando aos seus clientes que todas as medidas cabíveis foram tomadas, inclusive criminais, para apuração das responsabilidades.