Carta aberta sobre a crise da cultura em Goiás

Coletivos reagem e se mobilizam para impedir desmonte do setor cultural e artístico goiano

Divino Sobral

Publicado em: 01/03/2021

Categoria: Destaque, Opinião

O artista Jesus Quinterno performando com máscara de cavalhadas (Foto Ângela Macario)

A crise vivida pelo setor cultural goiano se agravou muito durante o atual governo estadual, que em pouco mais de dois anos empossou três secretários.

Neste período, o processo de desmontagem da cultura adquiriu velocidade acelerada e largo alcance: a lei de apoio à cultura, nos moldes do mecenato, se tornou inoperante com a extinção do contrato que permitia repasses fiscais; o Fundo de Arte e Cultura teve grande parte da verba redirecionada à própria SECULT e não mais ao fomento de artistas e produtores culturais; o Centro Cultural Oscar Niemeyer, maior equipamento estadual, foi entregue à gestão da Goiás Turismo e está fechado; os outros equipamentos estão sucateados e alguns estão à deriva, com suas vocações desvirtuadas por interesses opacos; a sombra da economia criativa tenta encobrir a produção autônoma de arte e de cultura; a visão deturpada dos processos de interiorização acha que tampando a produção da capital a interiorana se destacará; a manipulação ideológica anacrônica e bandeirantista do Plano Goiás 300 apareceu como delírio colonialista para comemorar os três séculos da invasão bandeirante; e por último, uma comissão especial, não prevista em edital, formada por membros da SECULT, da Secretaria Estadual de Economia e da OAB, decidirá quais projetos já aprovados em editais de anos anteriores do FAC receberão as verbas a que têm direito, numa atitude arbitrária e descabida.

  • Carreata da Cultura. Vídeos de artistas e produtores circulando pela cidade (Foto: Ângela Macario)
  • Na carreata da Cultura representantes da Frente de Defesa das Artes em Goiás, Fórum de Mulheres da Cultura e Fórum Permanente de Cultura (Foto: Ângela Macario)

No final do ano passado, a área de artes visuais sofreu um grande abalo com o desvirtuamento de função do Centro Cultural Octo Marques –  inaugurado em 1988 com a abertura do Museu de Arte Contemporânea. O processo de instalação da Gerência de Inovação e Empreendedorismo Cultural tentou fechar as duas galerias e a Escola de Artes Visuais com seu programa de residência Artística Ateliê Livre.  Para a área representava uma enorme perda pois o MAC posto em mãos erradas está sufocado e inativo, e somente estas duas galerias estão instaladas em espaço com características arquitetônicas adequadas à função.  Além do mais, a Escola de Artes Visuais está instalada lá desde sua criação em 1992. Portanto, são 31 anos de atividades das artes visuais neste local.

Para se opor ao desmonte surgiu a Frente de Defesa das Artes em Goiás que iniciou suas ações com a publicação de uma carta ao Governador de Goiás expondo a crise e solicitando medidas de contenção. Diante de toda forma de ataque à classe e de desmonte das instituições e equipamentos, os profissionais da cultura se organizaram para tentar barrar o processo destrutivo, e em uma ação conjunta a Frente, o Fórum Permanente de Cultura e o Fórum de Mulheres da Cultura realizaram uma grande carreata para pressionar o governo a receber a categoria e ouvir suas demandas. A ação dos coletivos teve bastante divulgação pela imprensa e resultou em convite do Secretário interino da Cultura para uma reunião de negociação. 

O artista Dalton Paula representando a Frente de Defesa das Artes em Goiás (Foto Ângela Macario)

Desde então a Secretaria de Cultura tem tentado resolver numa parcela dos problemas: recuou no fechamento das duas galerias e da Escola de Artes Visuais. Porém não basta retomar no ponto precário em que estavam funcionando. É preciso um programa de revitalização com investimentos em recursos humanos e em tecnologias para estes espaços, é necessário ativar suas potencialidades. Logo, ainda há muito a trilhar.  

Quanto aos demais pontos levantados pela classe cultural, o Governo do Estado ainda não se pronunciou. Segue o temor do desmonte continuar a galope.

 Divino Sobral
Artista visual e curador independente

 

Tags: , , ,

Nota de esclarecimento A Três Comércio de Publicações Ltda. (EDITORA TRÊS) vem informar aos seus consumidores que não realiza cobranças por telefone e que também não oferece cancelamento do contrato de assinatura de revistas mediante o pagamento de qualquer valor. Tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A Editora Três é vítima e não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças, informando aos seus clientes que todas as medidas cabíveis foram tomadas, inclusive criminais, para apuração das responsabilidades.