Casas e torres modernas

Guilherme Kujawski

Publicado em: 29/01/2014

Categoria: Da Hora, exposições e bienais

Exposição itinerante no Museu da Casa Brasileira celebra os 90 anos do arquiteto Harry Seidler, falecido em 2006

Legenda: Trecho do programa Collectors, produzido pela TV australiana ABC, em 2009. O episódio é sobre as casas projetadas por Seidler em Wahroonga, subúrbio de Sydney, durante a década de 1950

No próximo dia 11 de Fevereiro os amantes da arquitetura moderna podem respirar aliviados. É a data de abertura, no Museu da Casa Brasileira, da mostra itinerante Arquitetura, arte e design colaborativo, sobre o arquiteto Harry Seidler (1923-2006), um dos precursores da arquitetura moderna australiana do século 20.

O núcleo central tem a curadoria de Vladimir Belogolovsky, arquiteto e fundador da Intercontinental Curatorial Project. O diferencial da mostra no Brasil – que já passou por Estônia, Bulgária, Canadá e Estados Unidos – é uma sub-curadoria de Wilson Barbosa Neto, na qual o arquiteto brasileiro evidencia as influências de Oscar Niemeyer no trabalho de Seidler. Eles trabalharam juntos no Brasil em 1948.

A exposição é dividida em três módulos: Casas de Sydney (entre elas, as famosas casas de Wahroonga, chamadas de “machines for living”), Torres de Sydney e Além de Sydney (sobre os projetos internacionais). O estilo arquitetônico modernista, que incorpora processos industriais na execução e o design como linha mestra dos projetos, fica patente na série de desenhos, esboços, modelos, maquetes, filmes e documentos pessoais do arquiteto, que bebeu muito na fonte da Bauhaus e prezava as conexões entre tecnologia, arte e arquitetura. 

Serviço:

Abertura: 11 de fevereiro, terça-feira às 19h30 – Gratuito

Visitação: até 6 de abril (ingressos a 4 reais)

Horário: de terça a domingo das 10h às 18h

Endereço: Av. Brigadeiro Faria Lima, 2705 – Jardim Paulistano – Tel. 3032-3727

Artigo anterior:
Próximo artigo:

Nota de esclarecimento A Três Comércio de Publicações Ltda. (EDITORA TRÊS) vem informar aos seus consumidores que não realiza cobranças por telefone e que também não oferece cancelamento do contrato de assinatura de revistas mediante o pagamento de qualquer valor. Tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A Editora Três é vítima e não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças, informando aos seus clientes que todas as medidas cabíveis foram tomadas, inclusive criminais, para apuração das responsabilidades.