Cine Fantasma

João Paulo Quintella

Publicado em: 11/03/2013

Categoria: cinema, Da Hora

Cinemas de rua voltam do além graças aos projetores do Coletivo Fantasma

Um mundo que foi e não é mais. É nesse espectro que operam as
vídeointervenções da série Cine Fantasma. O projeto parte do mapeamento
de cinemas de rua desaparecidos, desativados, destruídos. Nas últimas
décadas, os shoppings parecem ter sugado a alma das salas de exibição.
O projeto Cine Fantasma opera um mecanismo de reencarnação através
de imagens projetadas nas fachadas de edifícios onde um dia habitaram os
cinemas.

No momento que o Rio vê seu desenho urbano sendo reconfigurado, os
fantasmas se manifestam mexendo não no concreto mas na memória da
cidade. A ação desses seres, para além da assombração, produz uma
reflexão sobre a identidade cultural e arquitetônica das cidades por onde
passam. Como projeção, falam sobre o que vimos e não vemos mais e,
principalmente, sobre as possibilidades de [re]impressão sobre um território
em mutação.

P1120206
Legenda: Coletivo Fantasma em ação

A próxima edição acontece nesta quarta, dia 13, na [Cine]lândia, no centro
do Rio. Mas os fantasmas não existem só por lá e dia 04 de Abril prometem
aparecer em Fortaleza. Os horários nunca são divulgados com antecedência
mas considerando a natureza notívaga desses seres o encontro não é tão
improvável. Antes disso, acontece amanhã, terça 12, um debate com o
Coletivo Fantasma às 20hs no CCBB do Rio de Janeiro.

Artigo anterior:
Próximo artigo:

Nota de esclarecimento A Três Comércio de Publicações Ltda. (EDITORA TRÊS) vem informar aos seus consumidores que não realiza cobranças por telefone e que também não oferece cancelamento do contrato de assinatura de revistas mediante o pagamento de qualquer valor. Tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A Editora Três é vítima e não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças, informando aos seus clientes que todas as medidas cabíveis foram tomadas, inclusive criminais, para apuração das responsabilidades.