Clube de Colecionadores do MAM Rio reverte renda para outras instituições culturais

Museu cria ação de apoio à Lanchonete.Lanchonete e ao Galpão Bela Maré, unindo arte e cidadania

Da redação

Publicado em: 29/06/2020

Categoria: Da Hora, Destaque

Detalhe de Metrô-Pamuri-Mahsã (2019), de Denilson Baniwa (Foto: Divulgação / MAM Rio)

A edição #6 do Clube de Colecionadores do Museu de Arte Moderna do Rio de Janeiro (MAM Rio) conta de obras de Anna Bella Geiger, Daniel Senise, Denilson Baniwa, Marcelo Cidade e Maxwell Alexandre. Diferentemente de edições anteriores, cujo objetivo era basicamente estimular o colecionismo e buscar suporte às atividades do museu, desta vez a renda arrecadada com a venda dos múltiplos será destinada a duas importantes ações sócio-educativas junto a comunidades do Rio, Lanchonete<>Lanchonete, na Pequena África, e ao Galpão Bela Maré, na favela da Maré. Ambas as instituições tem intensificado suas ações durante a crise do coronavírus.

Os múltiplos do Clube de Colecionadores do MAM são concebidos por artistas de diferentes gerações e linguagens, convidados pela equipe curatorial do museu a criar um projeto exclusivo, especialmente elaborado para essa situação. Geiger, Senise, Baniwa, Cidade e Alexandre têm relações íntimas com a trajetória do museu e discutem, cada um a seu modo, a própria ideia de múltiplo de arte, ao explorar a dicotomia copia-original ou questionar a ideia da repetição. 

Com tiragem de 100, a edição #6 sai por R$6.800,00 e as obras não são vendidas separadamente. Ao adquirir, o comprador passa a ser filiado ao programa Amigos do MAM (Categoria Amigo Individual), para que os colecionadores possam usufruir dos benefícios que o programa oferece, pelos próximos doze meses. Contribua!

Serviço
Edição #6 do Clube de Colecionadores do MAM Rio

Tags: , , , , , , , , ,

Nota de esclarecimento A Três Comércio de Publicações Ltda. (EDITORA TRÊS) vem informar aos seus consumidores que não realiza cobranças por telefone e que também não oferece cancelamento do contrato de assinatura de revistas mediante o pagamento de qualquer valor. Tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A Editora Três é vítima e não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças, informando aos seus clientes que todas as medidas cabíveis foram tomadas, inclusive criminais, para apuração das responsabilidades.