Consciência negra na TV

No Dia Nacional da Consciência Negra, Canal Curta! apresenta programação especial dedicado à cultura negra nesta sexta-feira (20)

Publicado em: 19/11/2015

Categoria: Da Hora

Documentário Born Free, de Bernardo Rebello (Foto: Reprodução)

O Canal Curta! exibe nesta sexta-feira (20) duas atrações em homenagem ao Dia Nacional da Consciência Negra. Para a faixa Curta! Academia, que será exibida nos intervalos da programação, a doutora em Direito Constitucional e Teoria do Estado e professora da PUC-Rio, Thula Pires será entrevistada.

No bate-papo, ela discute a posição do negro no Brasil e afirma que a questão racista vai muito além da cor da pele ou de uma data comemorativa: “Quando você vai pro plano de cidade, você percebe que existe um determinado grupamento populacional que sofre de maneira desproporcional também os danos ambientais e os riscos ambientais. Os lixões estão aonde? Por que o lixão não está aqui na Ataulfo? Porque que pra cá vem o metrô e não o lixão? E por que o lixão vai pra Gramacho e não o metrô? A questão é que o mês da Consciência Negra acaba sendo o momento em que se fala de negro no Brasil. O que é um problema. A gente não tem que falar de negro no Brasil em maio e em novembro”.

No mesmo dia, às 21h, será exibido “Born Free – Os Filhos da Revolução”, documentário inédito na televisão. Produção de 2014 dirigida por Bernardo Rebello, o filme mostra diferentes gerações de duas famílias sul-africanas, os Pooe e os Sibeko, impactadas pelo apartheid em proporções diferentes. Duas décadas após o fim do regime, o documentário também mostra os novos rumos enfrentados pela África do Sul com sua democracia emergente. A obra foi filmada na época das eleições presidenciais de maio do ano passado.

O Curta! pode ser visto nos canais 56 da NET, 83 na GVT, 75 na Oi TV, 103 na Vivo TV e 69 na Claro TV.

Tags: , ,

Artigo anterior:
Próximo artigo:

Nota de esclarecimento A Três Comércio de Publicações Ltda. (EDITORA TRÊS) vem informar aos seus consumidores que não realiza cobranças por telefone e que também não oferece cancelamento do contrato de assinatura de revistas mediante o pagamento de qualquer valor. Tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A Editora Três é vítima e não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças, informando aos seus clientes que todas as medidas cabíveis foram tomadas, inclusive criminais, para apuração das responsabilidades.