Design estratégico move montanhas

Publicado em: 26/08/2011

Categoria: Colunas Móveis, Reportagem

O  design em um mundo onde o consumo consciente é cada vez mais necessário

Design Referencia

Ilustração de Bruno Pugens, a partir de foto do livro Design Revolution: 100 Products that Empower People

Ucho Carvalho

Faz muito tempo que as discussões sobre a sociedade de consumo dividiam opiniões. As gerações atuais assimilaram naturalmente seus prós e contras e não se incomodam com sua existência solidificada, antes tão polêmica. Hoje qualquer grupo social pode ser definido a partir do que consome. E consumado está. A questão passa a ser, então, como regular os excessos desse antigo monstro filosófico que dorme placidamente conosco, mas mantém um olho aberto. Seus excessos são visíveis e causaram um colapso nas escolhas. Por que consumimos tanto? Por que produzimos tanto? É porque desejamos muito?

Será que o design, antes mera categoria profissional que desenhava cadeiras e bolava embalagens atraentes, e que agora define e resolve necessidades de consumo, pode ajudar o mundo a se orientar nesse emaranhado de prateleiras cheias, vitrines acolhedoras e promessas vãs? Há milhares de objetos do nosso cotidiano. São chamados de utilidades, mas nem sempre são tão úteis. As sociedades precisam considerar o impacto de todas as mudanças causadas pela inclusão de tanta tralha em nossas vidas.

A sociedade do conhecimento, base da sociedade de consumo, inova mais que em qualquer outro momento da história. Muita coisa é cuspida pelas empresas e mais de 70% dos novos produtos nos EUA fracassam nas prateleiras ou em seu uso cotidiano. Na linha de frente desse jorro está o design, pois ele traduz ideias em realidade.

Qual é o papel do designer nesse tempo de “inutilidade funcional”? Se o design é a adaptação intencional do ambiente para satisfazer necessidades individuais e sociais (não somente um artefato), é necessário que a relação homem–objeto seja repensada. Para ir além das questões estéticas e funcionais e ajudar a solucionar problemas de forma sustentável e otimista, o designer deve, antes de projetar, pensar em para quê/para quem/por que faz?

Que tal trazer questões históricas, geográficas, culturais, legais e éticas ao projeto e assim fazer um design estratégico que contemple o problema das mudanças climáticas, da energia, do crescimento populacional, da mobilidade, da educação e da diversão? Como o exemplo bem-humorado de um clube noturno holandês, cuja pista de dança produz energia cinética a partir dos movimentos dos clubbers. O mundo não precisa de mais uma cadeira!

Ucho Carvalho é consultor de imagem, tendências e estilo e diretor da Asia Branding.

Artigo anterior:
Próximo artigo:

Nota de esclarecimento A Três Comércio de Publicações Ltda. (EDITORA TRÊS) vem informar aos seus consumidores que não realiza cobranças por telefone e que também não oferece cancelamento do contrato de assinatura de revistas mediante o pagamento de qualquer valor. Tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A Editora Três é vítima e não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças, informando aos seus clientes que todas as medidas cabíveis foram tomadas, inclusive criminais, para apuração das responsabilidades.