Dizer Não

De 22/7 a 19/9, Ateliê 397, Rua Cruzeiro, 802, Barra Funda

Da redação

Publicado em: Vol. 10, N 51, Julho/ Agosto/ Setembro 2021

Categoria: A Revista, Agenda, Da Hora, Destaque, Notícias Quentes

Da Hora SeLecT #51

Em posicionamento contra as políticas governamentais negacionistas, racistas, sexistas, transfóbicas e homofóbicas, 40 artistas, duplos e coletivos realizam uma exposição de guerrilha na nova sede do Ateliê 397, na Barra Funda. Do veterano Cildo Meireles à iniciante Lícida Vidal, artistas reúnem-se em uma exposição física e um espaço virtual em torno de questões como: “O que pode a arte contra a barbárie?”, “Há eficiência política nas ações artísticas?”. Com orçamento construído por doações, o projeto tem uma campanha ativa na plataforma abacashi para levantar fundos.

Dizer Não
De 22/7 a 19/9, Ateliê 397, Rua Cruzeiro, 802, Barra Funda, São Paulo

Dizer Não (Foto: divulgação)

Artistas 
Adriano Machado
Ana Dias Batista
André Komatsu
Bertô
Bruna Kury e Gil Porto Pyrata
Cildo Meireles
Clara Ianni
C. L. Salvaro e Frederico Filippi
Coletivo …mesmo alienado
Cuca Ferreira
Daniel Jablonski
Denise Alves-Rodrigues
Edu Marin
Elizabeth Slamek
Fernando Burjato
Flora Leite
Graziela Kunsch
Isael Maxakali
JAMAC
João Loureiro
Juçara Marçal e Decio 7
Kadija de Paula & Chico Togni
Kauê Garcia
Laura Andreato e MuitasKoisas
Leda Catunda
Lia Chaia
Lícida Vidal
Lucimélia Romão
Marcelo Amorim
MUSEUL*RA
Pablo Vieira
Paola Ribeiro
Rafael Amorim
Raphael Escobar
Regina José Galindo
Rochelle Costi
Shima
Sol Casal
Vânia Medeiros
Wagner Pinto

Obra de Ana Dias Batista

Tags: , ,

Artigo anterior:
Próximo artigo:

Nota de esclarecimento A Três Comércio de Publicações Ltda. (EDITORA TRÊS) vem informar aos seus consumidores que não realiza cobranças por telefone e que também não oferece cancelamento do contrato de assinatura de revistas mediante o pagamento de qualquer valor. Tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A Editora Três é vítima e não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças, informando aos seus clientes que todas as medidas cabíveis foram tomadas, inclusive criminais, para apuração das responsabilidades.