Do artista ao articulador

Mariel Zasso

Publicado em: 30/03/2012

Categoria: cultura digital, Reportagem

arte.mov põe laboratório de mídias para circular em Kombi e promove intercâmbios de criação

O arte.mov chega a sua sexta edição como o mais expressivo programa voltado à arte e experimentação com, sobre e para mídias móveis no Brasil. Hoje patrocinado pela Vivo, virou ponto de reunião de diversas iniciativas em torno da chamada “cultura da mobilidade”, estimulando a criação, pesquisa, reflexão e difusão da arte em mídias móveis e locativas. Projetos, eventos, colóquios, mostras, exposições e o Festival Vivo arte.mov – o maior e mais importante evento do Brasil no gênero – fazem parte do Programa arte.mov atualmente.

Dentre as iniciativas está o LabMovel, que disponibiliza um laboratório de mídias móveis para a produção de residências de arte, workshops e eventos culturais, aliado a um programa de residência que este ano juntou um brasileiro e um holandês para colaborarem em um projeto artístico.

Um importante diferencial, segundo uma das coordenadoras do projeto, Gisela Domschke, é que “o LabMovel, apesar de ser um programa de residência artística, é um dos poucos a estender as oportunidades para além das fronteiras delimitadas, envolvendo pessoas com diferentes processos de criação dentro do campo da cultura digital.”

Residências nômades

VJ pixel é o brasileiro contemplado com a residência LabMovel por seu projeto Jandig (que a seLeCt já mostrou aqui). Recém-chegado da temporada de um mês na Holanda, ele contou um pouco da sua experiência como residente do Arte.mov, e da dificuldade de limitar as fronteiras das quais Gisela fala no seu próprio processo de criação de uma identidade como midiartista.

Neste domingo, o holandês Sander Veerhof chega ao Brasil para continuar o trabalho junto a pixel em um laboratório móvel bem original.

Pixel

Legenda: Vj pixel sendo entrevistado com amplo uso de mídias móveis, e de lado porque “o tablet fica melhor assim” (reprodução)

seLecT: Como foi para você saber que foi escolhido para a residência artística do arte.mov?

pixel: Acredito que o LabMovel é um laboratório nômade cujo foco é desenvolver projetos que envolvam mídias móveis (gadgets), então foi fantástico saber que fui escolhido. Além do natural orgulho de sentir o trabalho reconhecido, para mim particularmente significava ter tempo para dedicar à pesquisa e ao desenvolvimento de um projeto.

Você foi selecionado por seu projeto Jandig, mas não é esse o projeto a ser desenvolvido na residência. Qual é o projeto que vem por aí?

Já na primeira reunião, a coordenação do projeto aqui pediu que desenvolvêssemos juntos algo novo, diferente do projeto que cada um dos artistas havia proposto. O anúncio dos contemplados já deixava claro que os projetos foram escolhidos por suas semelhanças, que aumentariam as possibilidades de um trabalho conjunto. Achei incrível a proposta, pois gosto de trabalhar em processos colaborativos. Sander também gostou. A partir daí, passamos a pensar conjuntamente em um projeto como algo completamente novo.

O que já sabemos é que vamos desenvolver uma narrativa interativa colaborativa. A proposta é apresentar trechos da história em locais específicos, e cada trecho leva a um local diferente. Existem várias outras possibilidades, mas ainda estamos discutindo e experimentando o que vamos acrescentar.

E qual o ponto de partida dessa narrativa interativa colaborativa?

Uma Kombi vai ser de base nas nossas ações aqui no Brasil. uma estrutura para ações na rua, com a grande vantagem que conseguimos ir de um local a outro com facilidade, sem muito monta/desmonta. Ali dentro acontecerão oficinas e demonstrações do projeto. Achei a proposta incrível! 

A primeira história deve partir do bairro da Luz, em São Paulo. Circularemos pelo local pensando cenas. Mas não sabemos onde vamos chegar porque queremos que essa história seja escrita por várias pessoas, o que é parte da nossa proposta.

A partir da sua experiência nesse intercâmbio, no que diz respeito à artemídia, o que o Brasil tem a aprender e a ensinar?

Na Holanda, as instituições que trabalham com media art são antigas, algumas já com 30 anos. Isso faz com que as discussões e projetos sejam mais maduros. Por outro lado, aqui no Brasil temos uma cultura de apropriação/transformação/remix muito forte, além de restrições que nos levam a procurar com frequência soluções criativas, a famosa gambiarra, o que cria um caráter inovador.

E por fim, como você se define? Você é um artista ou um programador ou um hacker ou o quê?

Pergunta difícil… o processo de residência está me fazendo pensar muito nisso. Acho que sou um misto disso e mais um pouquinho. Estamos falando de novas tecnologias experimentais sendo utilizadas na arte. Quem trabalha com cultura digital, tem um perfil muito fluído e tem dificuldade de se definir. É o meu caso.

Mais arte.mov

Esta semana também foram anunciados os vencedores do prêmio de Mídias Locativas do festival Vivo Arte.mov, e os selecionados para a Mostra competitiva que acontece no final de abril, em Belo Horizonte. Foram escolhidos 43 microvídeos, de autores de todo o Brasil, que serão exibidos durante o Festival. 

Além do voto popular, os finalistas também serão submetidos a avaliação de comissão especializada, formada pelos artistas e pensadores Arlindo Machado (SP), Gustavo Spolidoro (RS), Cicero Silva (SP), Claudia Mesquita (MG) e Monica Bello (Espanha). O grande vencedor, que será anunciado ao final do arte.mov, leva o prêmio de dez mil reais. (Confira aqui a listagem dos 43 escolhidos.)

Já o Prêmio de Mídias Locativas, único no Brasil, é voltado a novos usos das ferramentas digitais de comunicação, e contemplou “Vista on Vista Off II” de Denise Agassi (SP) e “3CO”, de Ricardo Brazileiro (PE), este último como um prêmio especial do júri.

O circuito de difusão Brasil afora começou em fevereiro, no Rio de Janeiro, e ainda vai contar com eventos em Goiânia, Curitiba e São Paulo, além de Recife, onde a movimentação já acontece desde ontem.

A “edição mãe” do Vivo arte.mov acontece de 25 a 29 de abril em Belo Horizonte.

Saiba mais:

arte.mov

LabMovel

Circuito arte.mov

Leia também:

Jandig – Cultura Digital.br

Artigo anterior:
Próximo artigo:

Nota de esclarecimento A Três Comércio de Publicações Ltda. (EDITORA TRÊS) vem informar aos seus consumidores que não realiza cobranças por telefone e que também não oferece cancelamento do contrato de assinatura de revistas mediante o pagamento de qualquer valor. Tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A Editora Três é vítima e não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças, informando aos seus clientes que todas as medidas cabíveis foram tomadas, inclusive criminais, para apuração das responsabilidades.