Do olhar etnográfico

Experimentalismo voltado para a causa indígena é matéria das duas mostras que abrem na Galeria Vermelho

Felipe Stoffa

Publicado em: 03/05/2016

Categoria: Da Hora, Review

Claudia Andujar - Maloca Em Chamas, da série Casa (Foto: Claudia Andujar/Galeria Vermelho)

A Galeria Vermelho apresenta, a partir de 3 de maio, a exposição individual de Claudia Andujar e exibe o filme Xapiri, dos artistas Gisela Motta e Leandro Lima. As duas mostras apontam para o diálogo entre a produção de Andujar em torno de suas emblemáticas séries fotográficas da sociedade Yanomami, e o média-metragem de Gisela e Leandro, capturando encontros de xamãs na aldeia Watoriki, no Amazonas.

Claudia Andujar apresenta um conjunto de imagens em torno de séries realizadas ao longo de mais de trinta anos de trabalho, desde seus procedimentos com filmes infravermelhos e a refotografia, até produções mais recentes em torno dos Yanomami.

Alguns dos primeiros registros de Andujar em terras Yanomami são apresentados na série Sonho Verde Azulado. Em 1974, a artista retrata em preto e branco uma jovem índia e os re-fotografa, em 1982, utilizando filmes infravermelho. O resultado é um conjunto de retratos que nos leva a um mundo subjetivo e pictórico, como confirma a artista: Trago da minha memória o verde da vegetação e o azul do céu, elementos idílicos da Amazônia, que neste trabalho conferem cores às imagens e representam a virtude do índio em ainda defender a preservação do meio ambiente e sua luta para mantê-lo sadio e sem interferências, desde o garimpo ilegal até a invasão de áreas já demarcadas para o território Yanomami.

Claudia Andujar - Da série O Sonho Verde Azulado (Foto: Claudia Andujar/Galeria Vermelho)

Claudia Andujar – Da série O Sonho Verde Azulado (Foto: Claudia Andujar/Galeria Vermelho)

Entre outros trabalhos de Andujar reunidos na mostra, o conjunto de 34 imagens de sua série Yanomami, exposta na exposição que ocorreu no Memorial da América Latina, são reapresentadas na galeria. O evento, intitulado O Índio: Ontem, Hoje e Amanhã, reuniu uma série de debates ministrados por diversos profissionais, pesquisadores e lideranças indígenas.

Entre 2011 e 2012, a dupla Gisela Motta e Leandro Lima registraram o encontro de xamãs da aldeia Watoriki, lozalizada no Amazonas. A ideia era colaborar com registros em audiovisual, e o resultado foi a produção do medio-metragem Xapiri, em parceria com o sociólogo Laymert Garcia dos Santos, a pesquisadora de cinema Stella Senra e o etnólogo-escritor Bruce Albert.

O filme acompanha os xapiris – nome dado aos xamãs, ou pessoa-espírito – ao longo de seus rituais na aldeia. Diferentes etapas dos ritos são capturadas e apresentadas a partir de aproximações, sobreposições e deformações na própria imagem, oferecendo um aprofundamento entre o espectador e a cerimônia.

Gisela Motta e Leandro Lima - Still do vídeo Xapiri (Imagem: Galeria Vermelho)

Gisela Motta e Leandro Lima – Still do vídeo Xapiri (Imagem: Galeria Vermelho)

A produção da dupla foi maracada pelos diálogos em torno da parceria com Claudia Andujar na instalação Yano-a. Desde então, alguns recortes em torno da pesquisa dos artistas apresentaram trabalhos que discutem aspectos da cultura indígena, como por exemplo em Amoahiki, 2008, e Xabori, 2011.

As obras apresentadas nas duas exposições buscam aproximar, de modo imersivo, múltiplos aspectos de culturas vastas, proporcionando encontros entre Andujar, Gisela Motta e Leandro Lima. Essa produção em diálogo na galeria, mesmo que elaborada em torno de temáticas similares, é formada por pontos que divergem mas também se complementam.

 Gisela Motta e Leandro Lima - Still do vídeo Xapiri (Imagem: Galeria Vermelho)

Gisela Motta e Leandro Lima – Still do vídeo Xapiri (Imagem: Galeria Vermelho)

Serviço
Galeria Vermelho
Rua Minas Gerais, 350, Higienópolis, São Paulo
De 3 de maio a 4 de junho
De terça a sexta-feira, das 10h às 19h; sábados, das 11h às 17h
Tel.: (11) 3138 1520

Tags: , , ,

Nota de esclarecimento A Três Comércio de Publicações Ltda. (EDITORA TRÊS) vem informar aos seus consumidores que não realiza cobranças por telefone e que também não oferece cancelamento do contrato de assinatura de revistas mediante o pagamento de qualquer valor. Tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A Editora Três é vítima e não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças, informando aos seus clientes que todas as medidas cabíveis foram tomadas, inclusive criminais, para apuração das responsabilidades.