Espaço performático antimonumental

da Redação

Publicado em: 01/04/2015

Categoria: Da Hora, intervenções e projetos

Hoje, dia 1º de abril, é a abertura de projeto de Cristiano Lenhardt‏ em novo espaço não convencional da Galeria Jaqueline Martins

Glory_bod

Legenda: (foto: divulgação)

Em 1974, Chris Burden entrou na sala da caldeira no porão de uma galeria e recebeu visitantes para conversas individuais, na performance The Visitation. Apesar da tensão iminente graças ao espaço e ao performer – conhecido pela ação Shoot, em que toma um tiro no braço em plena galeria –, as conversas transcorreram bem. Guardadas as diferenças de contexto, frisson semelhante forma-se com glory hole, novo espaço de projetos curatoriais da Galeria Jaqueline Martins, atualmente com o projeto Raree show 2, de Cristiano Lenhardt (foto), com curadoria de Bruno Mendonça. O local tem dimensões que fogem ao padrão convencional de espaços expositivos: fica sob a escada de acesso ao segundo andar e tem 2,15 x 1,38 x 0,90 centímetros. Grafado em caixa baixa, glory hole é performático, low profile e antimonumental. Na contramão da tendência de expansão que assola as galerias paulistanas. Um espaço sensacional sem sensacionalismo.

glory hole, Galeria Jaqueline Martins, Rua Virgílio de Carvalho Pinto, 74

*Selects publicado originalmente na edição #23

Nota de esclarecimento: A Três Comércio de Publicações Ltda., empresa responsável pela comercialização das revistas da Três Editorial, informa aos seus consumidores que não realiza cobranças e que também não oferece o cancelamento do contrato de assinatura mediante o pagamento de qualquer valor, tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A empresa não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças.