Existe mídia após a morte?

Publicado em: 26/08/2011

Categoria: Colunas Móveis, Reportagem

Twitter-tevê ou a novela da vida real? Cibele Dorsa, atriz que anunciou seu suicídio no Twitter e Facebook em janeiro, dá o que pensar

Picture 8

Foto: Agência IstoÉ

Ivana Bentes

Ela ia se jogar pela janela, mas antes escreveu uma carta para a família, enviou um depoimento/denúncia para a revista Caras e deixou uma mensagem de despedida no Twitter, que quintuplicou seus seguidores de “mídia após a morte” e compartilhou toda sua tristeza e incertezas no mural do Facebook.

A “atriz e escritora” Cibele Dorsa, que se suicidou em 26 de março, repetindo o gesto do namorado apresentador de tevê, Gilberto Scarpa, que morreu em janeiro, entendeu direitinho que a mídia de massa, a revista, o jornal, a televisão, por mais visibilidade que tenham, tornaram-se mídias frias, diante da epidemia colaborativa e o gozo em compartilhar tudo, inclusive o que parecia a última das “transações solitárias”: a morte. É que as mídias sociais deram uma turbinada e tanto, verdadeira ressurreição, em vícios que não ousavam dizer seu nome, como acompanhar o “lixo extraordinário” que vemos passar pelo esgoto público das imagens, a tevê.

E o melhor de tudo, as redes sociais acabaram com o crack entre real e virtual, acabaram com a fissura, virtualizando tudo, de tal modo que a forma mais divertida e inteligente de “ver tevê” é navegando pelas redes, tuitando, postando, clicando.

Estava no Twitter quando soube que, na tevê, “Dilma estava na Ana Maria Braga fazendo uma horrível omelete”; “Imagens impressionantes do tsunami no Japão ao vivo”; que “Maria ganhou o BBB” e “Manifestantes tomam a Praça Tahrir em demonstração para Salvar a Revolução. CNN#Egito”.

Ou seja, não preciso mais ver tevê, as notícias navegam até mim e posso acessar a tevê, compartilhar a tevê ou apenas repercutir, analisar, criticar ou gozar a partir do que se diz dela. Mais ainda, explodir a tevê em janelas, estrimando a realidade em milhares de microtransmissões ao vivo. Copresença para além do espetáculo. Acontecimento-tevê.

Eis o desespero do capital, das velhas mídias e do espetáculo: ser tão nômade e fluido quanto a própria vida. Daí as ferramentas do comando e do controle serem as mesmas da colaboração e do cuidado. O Capitalismo Total Flex precisa da criação, subjetividade, inteligência, velocidade, e encontrou um campo incrivelmente fértil nesse “suicídio” vital e contagiante que nos faz seguir afetos por todas as janelas entreabertas.
I love sharing! Venha comigo!

Ivana Bentes é pesquisadora da Escola de Comunicação da UFRJ. Participa das redes Mídia Livre, Cultura Digital e Universidade Nômade. Autora de Avatar: o Futuro do Cinema e A Ecologia das Imagens Digitais (2010), entre outros.

Artigo anterior:
Próximo artigo:

Nota de esclarecimento A Três Comércio de Publicações Ltda. (EDITORA TRÊS) vem informar aos seus consumidores que não realiza cobranças por telefone e que também não oferece cancelamento do contrato de assinatura de revistas mediante o pagamento de qualquer valor. Tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A Editora Três é vítima e não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças, informando aos seus clientes que todas as medidas cabíveis foram tomadas, inclusive criminais, para apuração das responsabilidades.