Exposição falsa

Mostra argentina apresenta obras de arte falsificadas para conscientizar sobre o tráfico ilegal de bens culturais

Ana Abril

Publicado em: 24/05/2016

Categoria: Da Hora, Mercado de Arte

Tags: , , ,

Obras falsas de Antonio Berni y Raúl Soldi, no Ministério da Fazenda. (Foto: Mariano Sandá - Ministério da Fazenda)

O Ministério da Fazenda argentino abriga uma mostra de 40 pinturas realizadas por renomados artistas do país que serão destruídas no final deste mês. O governo de lá não enlouqueceu: essas obras são falsificadas e fazem parte de uma curiosa exposição, cujo intuito é conscientizar sobre o tráfico ilegal de bens culturais. As pinturas são plágios de obras de Benito Quinquela Martín, Antonio Berni, Antonio Seguí e Raúl Soldi, entre outros portenhos consagrados.

As peças foram apreendidas pela Interpol no final do ano passado e pertencem a um mesmo grupo de falsificadores. O alarme que levou ao confisco das obras falsas foi dado por galeristas e pelos familiares dos artistas, que descobriram a fraude através da internet e em casas de vendas.

As obras falsificadas, segundo Mario Naranjo, coordenador de Recuperação e Conservação do Patrimônio Cultural do Ministério da Fazenda da Argentina, não se parecem com as originais. “A maioria das obras são toscas”, afirma Naranjo.

Nessa exposição, o segurança de plantão não vigia o roubo de obras de grande valor, e, sim, de peças que atualmente são provas judiciais. Após a sentença, as falsificações serão destruídas.

Não é a primeira vez que se expõem obras de arte que são frutos de ações fraudulentas. No Brasil, a Operação Lava Jato rendeu uma exposição no Museu Oscar Niemeyer, em Curitiba, com peças que pertenciam ao ex-diretor de serviços da Petrobras Renato Duque e à doleira Nelma Kodama, entre outros. Nessa ocasião, peças de artistas como Alberto da Veiga Guignard e Frans Krajcberg eram originais, porém foram adquiridas com dinheiro proveniente de corrupção. Mais informações na reportagem Arte em Juízo, publicada pela #select27.

Sobre arte roubada também fala a seção Pega Ladrão, do Mapa das Artes. Nela são publicadas notícias em relação a peças roubadas, falsificadas ou encontradas após ficarem desaparecidas durante anos.

Artigo anterior:
Próximo artigo:

Nota de esclarecimento A Três Comércio de Publicações Ltda. (EDITORA TRÊS) vem informar aos seus consumidores que não realiza cobranças por telefone e que também não oferece cancelamento do contrato de assinatura de revistas mediante o pagamento de qualquer valor. Tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A Editora Três é vítima e não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças, informando aos seus clientes que todas as medidas cabíveis foram tomadas, inclusive criminais, para apuração das responsabilidades.