Faveleds reprogramam a iluminação

Coletivo paulistano utiliza materiais urbanos em propostas de reciclagem

Giselle Beiguelman

Publicado em: 29/10/2011

Categoria: Da Hora, Reportagem

Não foi a Goma Oficina, coletivo de arte, arquitetura e design, que criou os Faveleds, painéis luminosos feitos com copinhos descartáveis de café e luzinhas de natal chinesas. “Os Faveleds criaram a Goma”, explica Caio Ramires, 25, um dos integrantes, ao lado de Victor Pena, João Felipe Wallig, Thomas Frenk, Fabrizio Lenci e Rodrigo Oliveira, todos de 24 anos, e mais Luis Fernando Truyts, de 22.

A primeira montagem foi feita há três anos em uma festa da Escola da Cidade, onde todos estudam, para anunciar o preço das cervejas em uma festa. “É possível tirar partido do sistema de programação dos circuitos dessas luzes de natal e criar desenhos incríveis. E é isso que fizemos. Foi um sucesso e começamos a ser chamados para fazer cenografias, participar de eventos multimídia e de ações urbanas”, conta Caio. E assim, os Faveleds, baseados em copinhos de café, aumentaram de escala, incorporando baldes de plástico e luzes incandescentes ligadas a uma mesa de luz. Novos materiais também foram testados, como tampas de plástico, e até intervenções urbanas, com jogos de sombra, papel vegetal e luzes coloridas, foram desenvolvidas. “Por isso, hoje chamamos os primeiros Faveleds de clássicos”, diz.

Hoje, o coletivo atua em seis frentes: intervenção urbana, arquitetura, cenografia, objetos, artes gráficas e projetos multimídia. A escala e as ações foram ampliadas e diversificadas, mas a proposta do coletivo se mantém. Expandir o raio de atuação do arquiteto, trabalhando com uma linguagem cujo efeito é high tech, mas totalmente baseado em materiais de baixo custo para propor novas estratégias de reciclagem.

Goma Oficina

Tags: ,

Artigo anterior:
Próximo artigo:

Nota de esclarecimento: A Três Comércio de Publicações Ltda., empresa responsável pela comercialização das revistas da Três Editorial, informa aos seus consumidores que não realiza cobranças e que também não oferece o cancelamento do contrato de assinatura mediante o pagamento de qualquer valor, tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A empresa não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças.