Feminina e historiográfica

Focadas na produção feminina latino-americana, curadoras de Mulheres Radicais constroem capítulo omitido da história da arte

Paula Alzugaray
Poema (1979-2016), de Lenora de Barros (Foto: Fabiana de Barros)

Entre os nove temas abordados na exposição Mulheres Radicais: Arte Latino-Americana, 1960-1985, um deles refere-se especificamente aos “feminismos”. Esta seção inclui obras de artistas que se definiram como feministas e ativaram essa condição em seus trabalhos documentando demonstrações ou criando uma iconografia radical do feminismo. Entre elas destacam-se as mexicanas Yolanda Andrade, Maris Bustamante, Ana Victoria Jiménez, Jesusa Rodríguez e Monica Mayer, pois, segundo a curadoria, o México foi o único país latino-americano a ter um movimento artístico feminista organizado no período abarcado pela exposição. Engrossam o coro das feministas assumidas a brasileira Josely Carvalho, a argentina Maria Luisa Bemberg e a colombiana Patricia Restrepo. Inegável, porém, que questões relativas à afirmação e à radicalidade da mulher perpassam os cerca de 280 trabalhos de 120 artistas reunidas na importante mostra que ocupa a Pinacoteca do Estado de São Paulo, depois de passar pelo Hammer Museum, de Los Angeles, e pelo Brooklyn Museum, de Nova York.

“Todas essas vozes que estão aqui são individualmente muito interessantes. Mas como grande voz coletiva demonstram uma contribuição inescapável à ideia de que foram partícipes da construção das linguagens da contemporaneidade. E o fizeram, em grande medida, falando do corpo”, diz a curadora Cecilia Fajardo-Hill à seLecT. “Este é o feminismo da exposição. Nosso feminismo é defender que a mulher deve ser respeitada, tem de ter o seu lugar na história.”

As curadoras Cecilia Fajardo-Hill e Andrea Giunta afirmam que a contribuição de sua pesquisa é historiográfica. Ao mostrar, por exemplo, que as artistas foram pioneiras em experimentar com vídeo, fotografia, performance e fotoperformance nos anos 1960, elas escrevem um capítulo omitido da história da arte. “Temos de ter consciência que a arte contemporânea ainda é muito patriarcal, a igualdade da mulher e do homem na arte não aconteceu”, diz Andrea Giunta à seLecT.

  • Sem Título (Autorretrato com quadrado) (1973), da argentina Liliana Porter (Foto: Cortesia da Artista)
  • Edita (La Del Plumero), Panamá, 1977, da série La Servidumbre, fotografia da panamenha Sandra Eleta (Foto: Cortesia Galería Arteconsult S.A., Panama)
  • Sem Título, da série Liliana Maresca Con Su Obra (1983), fotoperformance da argentina Liliana Maresca (Foto: Marcos López)
  • Waiting (1982), da brasileira Josely Carvalho (Foto: Ed Mumford)
  • Evelyn (1982), da série La Manzana de Adán, da chilena Paz Errázuriz (Foto: Cortesia da Artista e Galería AFA, Santiago)
  • Acción del Encierro (Lock-up action) (1968), da argentina Graciela Carnevale (Foto: Carlos Mititello)
  • La Briosa (1981), da mexicana Lourdes Grobet (Foto: Cortesia da Artista)
  • Popsicles (1982-1984), da chilena Gloria Camiruaga (Foto: Cortesia da Artista)
  • Popsicles (1982-1984), da chilena Gloria Camiruaga (Foto: Cortesia da Artista)
  • Por la Mañana (1979), da colombiana Patricia Restrepo

 

Outro papel da exposição é apontar, em obras dos anos 1960, 70 e 80, temas que não tinham uma representação na arte. Por exemplo experiências do corpo da mulher, como a menstruação, a gravidez, o erotismo – abordado de maneira poética, política ou radical por artistas surpreendentes, como a argentina Liliana Maresca.

Os efeitos da exposição nos contextos por onde passou já se fazem notar. Cursos em universidades, novas pesquisas acadêmicas e até aquisições a coleções de grandes museus. A Tate Modern, de Londres, demonstrou interesse pelas artistas paraguaias. “Por isso é tão importante que o catálogo seja um livro com muita investigação, para ser um terreno para estudantes seguirem investigando”, diz Andrea Giunta. “Uma exposição não muda as coisas. Uma exposição é uma sinalização, um início. Há que seguir trabalhando.”

Um claro sinal de que a pesquisa continua e é permeável a novos contextos é a assimilação de quatros novas artistas brasileiras e uma mexicana à montagem da mostra na Pinacoteca, que também agrega Valéria Piccoli na curadoria.

Serviço
Mulheres Radicais: Arte Latino-Americana, 1960-1985
Até 18/8 a 19/11/18
Pinacoteca do Estado de São Paulo
Praça da Luz, 2 – São Paulo
pinacoteca.org.br

Artigo anterior:
Próximo artigo:

Nota de esclarecimento A Três Comércio de Publicações Ltda. (EDITORA TRÊS) vem informar aos seus consumidores que não realiza cobranças por telefone e que também não oferece cancelamento do contrato de assinatura de revistas mediante o pagamento de qualquer valor. Tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A Editora Três é vítima e não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças, informando aos seus clientes que todas as medidas cabíveis foram tomadas, inclusive criminais, para apuração das responsabilidades.