Fotografia artificial

Com programação dedicada à fotografia, MIS-SP abre individual do britânico Martin Parr

Felipe Stoffa
Fotografia de Martin Parr (Foto: Martin Parr/Magnum Photos)

Nada escapa às lentes de Martin Parr. Desde autorretratos exagerados até as cenas mais bizarras do cotidiano, o fotógrafo abre mão do instante decisivo de Cartier-Bresson para atender às demandas do mundo contemporâneo, sem pausa para reflexão. Seus temas favoritos são o lazer e o consumismo, e suas fotografias retratam hábitos de todas as classes sociais da Inglaterra. Quando entrevistado, normalmente afirma que o humor de seu trabalho dialoga com a tradição da ironia britânica.

Desde criança manifestava interesse pela fotografia, curiosidade herdada de seu avô, George Parr, fotógrafo amador. Cursou fotografia na universidade de Manchester, concluindo sua formação em meados de 1973. Trabalhou como fotógrafo para diversos projetos até ser convidado, em 1994, a integrar a equipe da renomada associação Magnum Photos, entidade na qual é presidente.

Fotografia de Martin Parr (Foto: Martin Parr/Magnum Photos)

Fotografia de Martin Parr (Foto: Martin Parr/Magnum Photos)

Com curadoria de Iatã Cannabrava, o Museu da Imagem e do Som de São Paulo abre a exposição Parrtificial, composta por mais de 200 fotografias do artista, sua maior retrospectiva já realizada na América do Sul. A curadoria se concentrou em apresentar um panorama cronológico dos trabalhos de Marin Parr, ocupando o primeiro andar do museu a partir de sete nichos diferentes. O nome da mostra, uma brincadeira entre seu sobrenome e a palavra artificial, faz referência ao teor de sua produção. “Em Parrtificial, Martin Parr constrói um discurso sério através de elementos como o sarcasmo, o humor e, obviamente, a ironia. É possível afirmar que estamos diante de um dos maiores críticos da sociedade contemporânea, e seu método é, sem dúvida, não só contemporâneo, mas extremamente ácido, apresentando ao espectador um mundo de consumismo delirante, fútil, ou melhor, um mundo real”, afirma Cannabrava.

Parr é um dos maiores fotógrafos da atualidade, com mais de 90 livros publicados e trabalhos que figuram em acervos de museus como Tate Modern, em Londres, e no Centre Georges Pompidou, em Paris. Trabalha também como editor e curador, responsável pela edição de 2004 do festival de fotografia de Arles, na França, além da Bienal de Brighton, na Inglaterra, em 2010.

Maio é o mês da fotografia no MIS. Desta vez, a programação anual do museu ocorre no período de junho e julho. Além da individual de Martin Parr, a instituição também inaugura mais três mostras: a exibição da fotografia cinematográfica de Jorge Bodanzky, a individual Vertentes: Espaço de Dentro, de André Conti, artista selecionado pelo programa Nova Fotografia 2016 e a mostra dedicada ao Vale do Ribeira, composta por trabalhos mantidos no acervo da instituição.

Fotografia de Martin Parr (Foto: Martin Parr/Magnum Photos)

Fotografia de Martin Parr (Foto: Martin Parr/Magnum Photos)

Serviço
Museu da Imagem e do Som – SP
Avenida Europa, 185, Jardim Europa, São Paulo
Até 24/7
De terça-feira a sábado, das 12h às 21h; domingos e feriados, das 11h às 20h
Tel.: (11) 2117-4777

Nota de esclarecimento A Três Comércio de Publicações Ltda. (EDITORA TRÊS) vem informar aos seus consumidores que não realiza cobranças por telefone e que também não oferece cancelamento do contrato de assinatura de revistas mediante o pagamento de qualquer valor. Tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A Editora Três é vítima e não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças, informando aos seus clientes que todas as medidas cabíveis foram tomadas, inclusive criminais, para apuração das responsabilidades.