Galeria expandida

Plataforma curatorial criada em 2010 para gerar correspondências entre circuitos da arte e da mídia ganha nova edição pensada especificamente para os ambientes impresso e digital da seLecT

Christine Mello

galeria expandida é uma plataforma curatorial que reflete sobre a reversibilidade entre circuitos da arte e da mídia. Apresentada pela primeira vez em abril de 2010, na Luciana Brito Galeria, em São Paulo, contou com 12 artistas. Seus documentos de processo encontram-se no Fórum Permanente.

A operação curatorial apresentou na galeria a documentação de trabalhos que aconteceram em ambientes fora dela. O conceito de expansão esteve presente nos cruzamentos entre espaços da arte e experiências midiáticas acessíveis no nosso cotidiano (como as promovidas pela internet, mídias móveis, televisão, mídia indoor e outdoor, jornal, revistas, cartazes, filipetas, adesivos, transmissões sonoras e camisetas), que integram o universo das redes de comunicação, circuito publicitário e marcas.

Artistas

Ricardo Basbaum, Paula Garcia e Marcel Darienzo são os três artistas participantes do projeto galeria expandida na revista seLecT (fotos: Divulgação)

 

Nesta versão, em 2015, galeria expandida reverte o jogo curatorial. A convite de seLecT, conta com a colaboração da equipe da revista e possibilita intervenções artísticas em seu fluxo informacional. Elege trabalhos que acontecem entre mídia impressa e online – e promove um debate entre curadoria, direção da revista, artistas envolvidos e público na Luciana Brito Galeria. Intensifica, com isso, circuitos dentro de circuitos. Destaca, desse modo, a expansão da revista como ambiente cross media, de caráter propositivo-expositivo.

galeria expandida articula na seLecT intervenções de Ricardo Basbaum (São Paulo, 1961, vive e trabalha no Rio de Janeiro), Paula Garcia (São Paulo, 1975, vive e trabalha em Nova York) e Marcel Darienzo (São Paulo, 1991, vive e trabalha entre São Paulo e Berlim). Eles integram a produção contemporânea em diferenciados contextos históricos e geracionais. Aqui, apresentam experiências performativas associadas à escrita, à sonoridade e ao audiovisual.

oh! ah! (2014), de Ricardo Basbaum

Ricardo Basbaum, desde os anos 1980, promove modos de pensar relações alternativas entre comunicação e arte por uma pluralidade de meios. Em oh! ah! articula simultaneamente, em um mesmo plano enunciador, peça gráfica (o diagrama e a frase, na edição impressa) e sonora (no site e na edição tablet). No caso, oh! indica Hélio Oiticica e ah! Alex Hamburger. Comenta, com isso, aspectos da imagem e da mitologia do artista contemporâneo.

#8 (da série Corpo Ruído) (2014), de Paula Garcia

Desde os anos 2000, Paula Garcia desenvolve uma pesquisa denominada Corpo Ruído, que enfoca performance e suas relações com as mídias. Na dobra existente entre espaço impresso e online da revista, inter-relaciona o gesto de escrever Corpo Ruindo? à documentação em vídeo da ação performática #8 (da série Corpo Ruído) realizada na mostra The Artist is an Explorer, curada por Marina Abramović, na Foundation Beyeler, em Basel, Suíça.

AND THEN… WE’LL DANCE (2013), de Marcel Darienzo

Marcel Darienzo inicia sua produção nos anos 2010. As relações do corpo em suas implicações com as redes e as tecnologias sociais refletem boa parte de sua pesquisa. Por meio de Screenshot e vídeo (AND THEN… WE’LL DANCE) suspende no tempo as hesitações e angústias de alguém que escreve um e-mail declarando o seu amor.

Ao colocar em atenção situações por onde circula boa parte do capital simbólico e econômico que integra a sociedade contemporânea, as intervenções de Ricardo Basbaum, Paula Garcia e Marcel Darienzo incitam que o ambiente da seLecT se transforme num espaço expandido ao potencializar a dimensão social e poética de seu fluxo midiático e ao tecer alternativas ao discurso hegemônico corrente nesses meios e práticas.

*Curadoria publicada originalmente na #select22

Nota de esclarecimento A Três Comércio de Publicações Ltda. (EDITORA TRÊS) vem informar aos seus consumidores que não realiza cobranças por telefone e que também não oferece cancelamento do contrato de assinatura de revistas mediante o pagamento de qualquer valor. Tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A Editora Três é vítima e não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças, informando aos seus clientes que todas as medidas cabíveis foram tomadas, inclusive criminais, para apuração das responsabilidades.