Historiadora Lilia Schwarcz lança canal no Youtube

Os vídeos do Canal da Lili refletem sobre cultura, política e atualidade a partir de perspectiva histórica

Da Redação

Publicado em: 18/12/2018

Categoria: Da Hora, Destaque, Notícias Quentes

Still do vídeo em que Lilia Schwarzc entrevista Ana Paula Xongani (Foto: Reprodução)

Lilia Schwarcz descreve seu canal de Youtube, lançado no final de setembro de 2018, como um “espaço de descoberta e democratização da história”. Gerenciado e produzido pela agência e produtora de filmes Uzumaki Comunicação, o Canal da Lili trata sobre diversos assuntos da contemporaneidade a partir de um olhar histórico. “Compartilhar o conhecimento é fundamental e eu valorizo muito esse tipo de comunicação.  A história é uma forma especial de entender nosso tempo e de refletir sobre ele”, afirma a historiadora e antropóloga.

Até agora, foram publicados onze vídeos que tem de dois a dez minutos. No primeiro deles, Schwarcz contou sobre a história do Museu Nacional, no Rio de Janeiro, que foi destruído por um incêndio no dia 2 de setembro de 2018, logo após comemorar 200 anos de existência. A historiadora, que é também escritora e professora da Universidade de São Paulo, falou sobre o desapreço do Estado brasileiro pelo patrimônio e cultura nacional, citando outros casos de incêndio em instituições como o Liceu de Artes e Ofícios, o Museu da Língua Portuguesa, o Memorial da América Latina e o Instituto Butantan.

Os vídeos mais recentes trazem uma análise dos ministros do presidente eleito e uma entrevista com a empresária Ana Paula Xongani sobre moda, feminismo e negritude. Acesse o Canal da Lili completo aqui!

Tags: , , , , , , , , , , , , , , ,

Artigo anterior:
Próximo artigo:

Nota de esclarecimento: A Três Comércio de Publicações Ltda., empresa responsável pela comercialização das revistas da Três Editorial, informa aos seus consumidores que não realiza cobranças e que também não oferece o cancelamento do contrato de assinatura mediante o pagamento de qualquer valor, tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A empresa não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças.