Ibrahim Mahama

Em estreia da parceria entre seLecT e Artload, o artista ganês Ibrahim Mahama conversa sobre seu trabalho na Documenta 14 e sobre diversos aspectos de sua carreira

Ana Abril
Check Point Prosfygika. 1901–2030. 2016–2017 (2016–17), de Ibrahim Mahama. Performance na Praça Syntagma (Fotos: Cortesia do artista/ Documenta 14)

Dezenas de sacos de juta – fibra de planta usada para fazer tecido – inundam a Praça Syntagma (em português, Praça da Constituição), tradicional palco de protestos políticos e sociais por sua localização, em frente ao Parlamento grego, em Atenas. O público pisa no tecido, senta-se sobre ele e começa a costurar os sacos entre si. É a performance Check Point Prosfygika. 1934–2034. 2016–2017 (2017), do artista ganês Ibrahim Mahama.

O trabalho examina as relações entre diferentes espaços de produção: os sacos foram fabricados na Ásia e usados em Gana para transportar grãos, que depois foram distribuídos pela América e Europa. É a lógica capitalista que, de alguma forma, acaba unindo a classe trabalhadora internacional, pois aqueles que teceram, embalaram, carregaram e transportaram os sacos, deixaram seu suor e marcas neles.

  • Check Point Sekondi Loco. 1901–2030. 2016–2017 (2016–17), de Ibrahim Mahama, nos edifícios Torwache 1 e Torwache 2

O trabalho de costurar os sacos para formar um enorme tecido tem uma finalidade específica: criar capas para cobrir edifícios emblemáticos, como o Torwache 1 e o Torwache 2, situados em Kassel (Alemanha). Isso configura a segunda parte do trabalho, intitulado Check Point Sekondi Loco. 1901–2030. 2016–2017 (2016–17). Dessa forma, Mahama subverte a política desses prédios e lhes concede novas formas e significados.

  • Check Point Prosfygika. 1901–2030. 2016–2017 (2016–17), de Ibrahim Mahama. Performance na Fábrica de Fertilizantes Drapetsona, em Pireu

Segundo Mahama, o espírito e a forma da Praça Syntagma e da Fábrica de Fertilizantes Drapetsona, localizada em Pireu (região metropolitana de Atenas), foram encarnados pelos Torwaches de Kassel. Ou seja, os locais de produção e de costura dos sacos se relacionaram fortemente com os prédios que acabaram recebendo a grandes capas de juta, o produto final. Os edifícios cobertos criaram uma nova cartografia da cidade de Kassel. Assim, o trabalho de Mahama conecta as cidades de Atenas e Kassel, locais da maior mostra de arte contemporânea do mundo: a Documenta 14.

Com residência estabelecida em Gana, o artista Ibrahim Mahama ganhou destaque no panorama artístico europeu nos últimos anos. Ele já participou da 56ª Bienal de Veneza (2015) e apresentou seu trabalho na Saatchi Gallery (Londres), em 2014. Mais recentemente, entre março e abril de 2017, a White Cube mostrou Fragmentos, uma exposição que incluía novas séries de trabalhos, como o Non-Orientable Nkansa (2016), uma escultura monumental feita de fragmentos de madeira manchados.

Na entrevista realizada em vídeo pela parceria entre Artload e seLecT, Ibrahim Mahama fala sobre a White Cube, seu trabalho na Documenta 14, sua relação com o diretor artístico Adam Szymczyk e o curador Bonaventure Soh Bejeng Ndikung e até dá conselhos para jovens artistas. Confira a seguir.

Artigo anterior:
Próximo artigo:

Nota de esclarecimento A Três Comércio de Publicações Ltda. (EDITORA TRÊS) vem informar aos seus consumidores que não realiza cobranças por telefone e que também não oferece cancelamento do contrato de assinatura de revistas mediante o pagamento de qualquer valor. Tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A Editora Três é vítima e não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças, informando aos seus clientes que todas as medidas cabíveis foram tomadas, inclusive criminais, para apuração das responsabilidades.