Intercâmbio de linguagens

Exposição Luzescrita, no Espaço Cultural Porto Seguro, mostra que o lugar do poema não se limita ao papel

Da redação
Luz Inside Incide Light, poema-objeto de Arnaldo Antunes, fotografia e montagem de Fernando Laszlo (Fotos: Divulgação)

Depois de ter passado por outras cidades brasileiras e até mesmo Portugal, a coletiva Luzescrita, de Arnaldo Antunes, Fernando Laszlo e Walter Silveira, chega à São Paulo, cidade natal dos artistas. A proposta reúne trabalhos dos últimos 15 anos que discutem as possíveis relações entre poesia e fotografia e conta com curadoria de Daniel Rangel, quem teve papel fundamental na concepção da mostra. Inicialmente, quando o trio havia pensado nessa linha de pesquisa, a ideia era realizar uma publicação de fotografias, mas Rangel sugeriu transformá-la em exposição.

Desde então, Luzescrita vem trazendo um intercâmbio de linguagens que está em constante transformação. Apesar do projeto ter nascido em 2000, na cidade de Salvador, cada montagem traz novas reflexões. Dessa vez, o Espaço Cultural Porto Seguro traz cerca de 60 obras, sendo nove delas inéditas.

Os trabalhos estão divididos em duas salas que fazem alusão ao processo criativo por trás da fotografia analógica, contrastando a tecnologia com procedimentos artesanais. Uma delas, denominada Sala Clara, apresenta paredes brancas, repletas de luz, na qual estão exibidas fotografias que registram palavras escritas por meio da manipulação de materiais luminosos. Já a outra, Sala Escura, que tem sua iluminação controlada e as paredes pintadas de preto, revela o processo por trás daquelas fotografias.

Fome de Sede

Fome de Sede, poema e caligrafia de Arnaldo Antunes, fotografia e montagem de Fernando Laszlo

 

Serviço
Luzescrita
Espaço Cultural Porto Seguro
Alameda Barão de Piracicaba, 610
Até 30/7
www.espacoculturalportoseguro.com.br

Nota de esclarecimento A Três Comércio de Publicações Ltda. (EDITORA TRÊS) vem informar aos seus consumidores que não realiza cobranças por telefone e que também não oferece cancelamento do contrato de assinatura de revistas mediante o pagamento de qualquer valor. Tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A Editora Três é vítima e não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças, informando aos seus clientes que todas as medidas cabíveis foram tomadas, inclusive criminais, para apuração das responsabilidades.