Longa ‘Pacificado’ ganha Concha de Ouro na Espanha

Festival de Cinema de San Sebastián dá três prêmios para filme brasileiro

Paula Alzugaray, de San Sebastián

Publicado em: 28/09/2019

Categoria: Da Hora, Destaque, Notícias Quentes

Paxton Winters recebe Concha de Ouro pelo filme Pacificado, realizado em uma colaboração criativa de sete anos com moradores do Morro dos Prazeres, no Rio (Foto: Pedro McCardell)

O longa-metragem Pacificado (2019), do diretor Paxton Winters, ganhou neste sábado 28 a prestigiada Concha de Ouro, prêmio máximo do 67º Festival de San Sebastián, no País Basco, Espanha, além de outros dois troféus: Melhor Ator para Bukassa Kabengele, pelo seu papel de um antigo chefe de tráfico de drogas que regressa à comunidade depois de 14 anos detido, e Melhor Fotografia, para Laura Merians. 

Diretor Paxton Winters recebe Concha de Ouro no 67º Festival de San Sebastián (Foto: Lisa Muskat)

Com Débora Nascimento, Cassia Nascimento, Lea Garcia e José Loreto no elenco, o filme conta com Beto Villares, na Trilha Sonora, e Ricardo van Steen assinando Production Design, responsável por todo o visual do filme, desde a maquiagem e figurino, até a supervisão de fotografia e arte. 

Rodado na comunidade do Morro dos Prazeres, no Rio, em 2017, o filme é o segundo longa-metragem do diretor norte-americano Paxton Winters.  Acompanha a trajetória de Tati (Cassia Nascimento), uma garota de 13 anos, que luta para se conectar com seu pai, Jaca (Bukassa Kabengele, Melhor Ator no festival), depois que ele é libertado da prisão, na esteira turbulenta das Olimpíadas do Rio. Enquanto a Polícia de Pacificação (UPP) ocupa temporariamente as favelas do Rio, Tati, Jaca e Andrea (Débora Nascimento), ex-mulher do ex-chefe do tráfico dos Prazeres, navegam por forças conflitantes, que ameaçam inviabilizar sua esperança de futuro. 

Nascido de uma colaboração criativa de sete anos entre a comunidade do Morro dos Prazeres e o escritor/diretor Paxton Winters, o filme tem entre suas maiores qualidades a escuta e o olhar subjetivo dos conflitos da vida no Morro. Winters viveu durante cinco anos nos Prazeres e escreveu o roteiro a seis mãos com Wellington Magalhães, morador da comunidade, e o documentarista norte-americano Joe Carter, que também viveu no Brasil por muitos anos, realizando diversos projetos relacionados ao crime organizado. O longa Pacificado revela, portanto, muito da atuação de Paxton Winters como documentarista. 

  • Cassia Nascimento, Darren Aronofsky, Paxton Winters e Débora Nascimento (Foto: Paula Alzugaray)
  • Paxton Winters (Foto: Paula Alzugaray)
  • Bukassa Kabengele (Foto: Paula Alzugaray)
  • Débora Nascimento, Bukassa Kabengele, Ricardo van Steen e Joe Carter (Foto: Paula Alzugaray)
  • Da esq. para a dir., Cassia Nascimento, Débora Nascimento, Paxton Winteres e Bukassa Kabengele (Foto: Paula Alzugaray)

“Sou, em primeiro lugar, um ouvinte de histórias e, depois, um contador de histórias. Mas talvez a melhor definição seja um ‘canal de histórias’ ou um ‘condutor de histórias’”, diz Winters a seLecT. “Tudo se resume a um processo. O processo começa com escutar e observar. Depois, faço muitas perguntas – isso vem da minha experiência jornalística/ documental. Depois, tento encontrar os temas e verdades universais nessas histórias para poder traduzi-las de maneira que possa atrair um público mais amplo. Esperançosamente, para pessoas que nunca teriam acesso a esse mundo”, diz. 

Co-produção de Darren Aronofsky (diretor de Cisne Negro, Mãe!, Noé, entre outros), Lisa Muskat, Paula Linhares e Marcos Tellechea, o filme ainda não tem data prevista de lançamento no Brasil. Mas terá sua primeira exibição pública no País na Mostra de Cinema de São Paulo, em outubro. Reserve a data!

Tags: , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , ,

Nota de esclarecimento A Três Comércio de Publicações Ltda. (EDITORA TRÊS) vem informar aos seus consumidores que não realiza cobranças por telefone e que também não oferece cancelamento do contrato de assinatura de revistas mediante o pagamento de qualquer valor. Tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A Editora Três é vítima e não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças, informando aos seus clientes que todas as medidas cabíveis foram tomadas, inclusive criminais, para apuração das responsabilidades.