Máscara fashion

Publicado em: 17/08/2011

Categoria: Da Hora, fotografia

Autora da fotografia mais valiosa da história, Cindy Sherman se transforma em garota propaganda de marca de maquiagens.

 Cindy-sherman-mac-2

Nina Gazire

Foi em maio deste ano que a foto Untitled#96, produzida por Cindy Sherman em 1981, foi arrematada em um leilão da Christie’s por 3,89 milhões de dólares. A foto bateu recorde e se tornou a fotografia mais cara da história. Untitled #96 é mais uma obra da série infinita de autoretratos que a fotógrafa americana realiza desde a década 1970. Em comum estes trabalhos têm as diversas personagens femininas que a artista da vida por meio de sua objetiva. Na produção destes autoretratos é notável, além dos figurinos e cenários simulados, a facilidade que a fotógrafa tem de modificar o seu semblante pelo simples uso da maquiagem. 

Graças a essa habilidade, Cindy se tornou a mais recente garota propaganda da M.A.C_ badalada grife de maquiagens pertencente à Estée Lauder. Fazendo uso de sua capacidade camaleônica, ela, além de assinar uma edição limitada de make ups, também é responsável pelas imagens da campanha publicitária, para qual produziu alguns autoretratos que em nada lembram os anúncios de maquiagem que encontramos nas revistas de moda. Essa não é a primeira vez que Cindy faz passagem pelo mundo fashion. No ano passado ela ficou a cargo das imagens de divulgação da coleção Outono/Inverno da marca italiana Balenciaga, onde também encarnou personagens femininos usando os looks da marca. A coleção de maquiagens de Cindy Sherman estará nas lojas M.A.C dos EUA a partir de 9 setembro. O negócio é cruzar os dedos e esperar que a edição limitada chegue por aqui também.

Nota de esclarecimento: A Três Comércio de Publicações Ltda., empresa responsável pela comercialização das revistas da Três Editorial, informa aos seus consumidores que não realiza cobranças e que também não oferece o cancelamento do contrato de assinatura mediante o pagamento de qualquer valor, tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A empresa não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças.