Masp assina novo comodato

Depois do acervo do Foto Cine Clube Bandeirante, museu agora recebe Coleção Edith e Oscar Landmann, de arte pré-colombiana

Luciana Pareja Norbiato

Publicado em: 24/06/2016

Categoria: Da Hora, Notícias Quentes

Detalhe de tecido Nazca

Uma nova iniciativa do Masp mostra o interesse da direção artística em ampliar a percepção de arte e de suas origens na América Latina. O museu acaba de assinar comodato de dez anos com a Coleção Edith e Oscar Landmann, uma das maiores de propriedade particular voltadas à arte pré-colombiana.

Com isso, a Coleção Masp Landmann, como passa a ser conhecida a partir do acordo, permanecerá no museu paulistano por dez anos. Esse prazo pode ser renovado ou a doação pode até se tornar definitiva. É um grande passo no sentido que vem sendo apontado por seu diretor artístico, Adriano Pedrosa, rumo a obras que tragam uma compreensão da história da arte para além de seu âmbito hegemônico, o academismo europeu e suas derivações.

Retrato Moche IV (350 a 400 d.C.), pertencente à Coleção Masp Landmann

Retrato Moche IV (350 a 400 d.C.), pertencente à Coleção Masp Landmann

Exposições como Histórias da Infância, que debate as concepções de infância por meio da iconografia da arte, e a remontagem de A Mão do Povo Brasileiro, mostra icônica de Lina Bo Bardi sobre e com o artesanato do Brasil, mostram a vocação atual do Masp em investigar as bases constitutivas da identidade nacional .

É o segundo comodato de peso que o museu assina desde a mudança de gestão, com a entrada de Heitor Martins na presidência (2014) e a nova orientação curatorial. O primeiro foi como Foto Clube Bandeirantes (dezembro de 2014), cuja coleção será anexada definitivamente ao acervo do Masp após 50 anos.

Vampiro moche I (50 a 150 d.C.)

Vampiro moche I (50 a 150 d.C.)

 

Tags: , , , , , ,

Nota de esclarecimento A Três Comércio de Publicações Ltda. (EDITORA TRÊS) vem informar aos seus consumidores que não realiza cobranças por telefone e que também não oferece cancelamento do contrato de assinatura de revistas mediante o pagamento de qualquer valor. Tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A Editora Três é vítima e não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças, informando aos seus clientes que todas as medidas cabíveis foram tomadas, inclusive criminais, para apuração das responsabilidades.