Mitos e encantarias

Série em processo do fotógrafo Luiz Braga registra a cultura que brota das raízes amazônicas

Nina Rahe

Publicado em: Vol. 10, N 50, Abril/ Maio/ Junho 2021

Categoria: A Revista, Destaque, Em Construção

Mãe de Fogo (2019), de Luiz Braga (Foto: Luiz Braga/ Galeria Leme)

A imagem Mãe do Fogo (2019),representação da lenda marajoara a respeito de uma figura que assombra e desorienta os vaqueiros, faz parte da série Mitos e Encantarias, que começou por acaso em 2018, quando o artista Luiz Braga resolveu clicar um caranguejeiro na Ilha de Marajó e, ao ver o resultado, com seu cabelo descolorido e corpo coberto de lama do mangue, percebeu que tinha ali a representação do Curupira. A vontade de retratar as lendas locais vem de conversas antigas com o escritor João de Jesus Paes Loureiro e a percepção de que existe uma cultura que brota a partir das raízes amazônicas e, segundo o fotógrafo, não precisa ser “chancelada por uma escola europeia, nórdica ou oriental”. “Se você puxar esse fio, ele vai dar no fundo do rio, no fundo da floresta e nada mais interessante que mergulhar nessas histórias”, diz Braga. Acostumado a fotografar a população ribeirinha de Belém, ele conta que, com o passar do tempo, começou a sentir a cidade se tornando mais áspera e encontrou em Marajó um território acolhedor, onde percebeu o respeito à floresta e viu a oportunidade de se relacionar com as histórias que ouvia de seu pai. Até agora, ele já registrou, além de Mãe de Fogo e Curupira, Matinta e uma lenda fictícia, criada por ele próprio, que nomeou como Nossa Senhora Padroeira das Lavadeiras. Entre as próximas vontades estão as imagens de Iemanjá, Mulher de Branco e Saci.

Mãe de Fogo (2019), de Luiz Braga (Foto: Luiz Braga/ Galeria Leme)

Tags: , , ,

Artigo anterior:
Próximo artigo:

Nota de esclarecimento A Três Comércio de Publicações Ltda. (EDITORA TRÊS) vem informar aos seus consumidores que não realiza cobranças por telefone e que também não oferece cancelamento do contrato de assinatura de revistas mediante o pagamento de qualquer valor. Tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A Editora Três é vítima e não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças, informando aos seus clientes que todas as medidas cabíveis foram tomadas, inclusive criminais, para apuração das responsabilidades.