Mostra de arte pública Urbe abre os trabalhos no CCBB

Mariel Zasso

Publicado em: 13/12/2011

Categoria: Da Hora, intervenções e projetos

CCBB promove debates inaugurais com artistas e curadores da mostra

Assista o video com os curadores e artistas convidados

Uma exposição composta por obras site specific desenvolvidas por cinco artistas, nacionais e internacionais, promete transtornar o dia a dia do Vale do Anhangabau, na região central de São Paulo, transformando o espaço público em suporte a céu aberto para ideias e propostas. Urbanscreen, da Alemanha e Doma, da Argentina, são os projetos internacionais que dividirão o vale com os brasileiros Felipe Sztutman, Goma e ZoomB.

Para inaugurar o projeto, serão realizados dois debates entre os artistas participantes, pensadores, curadores e representantes das autoridades públicas locais, para instigar a reflexão e o debate sobre a intervenção urbana hoje, suas variadas linguagens e o constante diálogo que esse tipo de obra estabelece com a arquitetura e a paisagem da cidade.

No debate que acontece hoje, às 19h30, os artistas Felipe Sztutman, Goma e Doma (Argentina) conversam com o arquiteto Guilherme Wisnik sobre Interatividade e Contágio, tentando entender como a aplicação e o desenvolvimento de um projeto site specific podem modificar a ocupação do espaço público.

Amanhã (14), ZomB e Urbanscreen (Alemanha) conversam com Daniel González, curador e coordenador dos Encontros AVLAB São Paulo e do FILE, sobre Arquiteturas Móveis, mesclando íconografia histórica urbana com videomaping e a arte generativa, como ferramentas incentivadoras e geradoras da mobilidade no espaço público.

A curadoria é de Alessandra Marder, Julia Clemente e Felipe Brait. Entrada franca.

Artigo anterior:
Próximo artigo:

Nota de esclarecimento A Três Comércio de Publicações Ltda. (EDITORA TRÊS) vem informar aos seus consumidores que não realiza cobranças por telefone e que também não oferece cancelamento do contrato de assinatura de revistas mediante o pagamento de qualquer valor. Tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A Editora Três é vítima e não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças, informando aos seus clientes que todas as medidas cabíveis foram tomadas, inclusive criminais, para apuração das responsabilidades.