Múltiplo industrial

Galeria Pilar inaugura primeira exposição de projeto voltado para múltiplos, com trabalhos de Rubens Mano, Daniel de Paula e Theo Craveiro

Luciana Pareja Norbiato

Publicado em: 09/12/2015

Categoria: Agenda, Da Hora

Oco (2015), de Daniel de Paula

Como incorporar procedimentos de produção industrial a obras de arte? É o que parecem responder os trabalhos da mostra XYZ, que a Galeria Pilar inaugura no dia 15 de dezembro, e fica em cartaz até o dia 22. A exposição é a primeira do projeto da galeria voltado para múltiplos.

Como a galeria explica no texto de divulgação, o XYZ é “um projeto organizado por artistas ao redor de processos de produção de múltiplos de arte. Pensada para facilitar a criação de peças em grande e pequena escala, e em valores baixos e altos, a iniciativa expressa o desejo de comentar e atuar sobre um sistema de difusão de trabalhos, bem como propor uma circulação mais ampla e abrangente”.

Visible (2005-2015), de Rubens Mano

Visible (2005-2015), de Rubens Mano

Pela própria natureza do múltiplo, incorporam-se processos de produção em série, mas curiosamente o resultado três dos trabalhos acabou convergindo também formalmente para essa ideia. Apesar de não terem conversado para estipular um universo comum, e mesmo com poéticas individuais distintas,  Daniel de Paula, Rubens Mano e Theo Craveiro utilizaram nas obras processos fabris de realização e mesmo um material que remete à lógica industrial, o metal.

Mas essa apropriação, apesar de compartilhada pelas obras, acontece em cada trabalho de forma distinta. Daniel de Paula intervém sobre a moeda de R$ 1, Rubens Mano imprime em metal uma espécie de poesia concreta, num jogo de palavras bilingue, e Theo Craveiro, mais metafísico, apresenta uma chapa em que recorte e aplainação são valorizados pela aplicação de ouro.

Série Ouro (Ouro sobre Chumbo, 2015), de Theo Craveiro

Série Ouro (Ouro sobre Chumbo, 2015), de Theo Craveiro

Tags: , , ,

Nota de esclarecimento A Três Comércio de Publicações Ltda. (EDITORA TRÊS) vem informar aos seus consumidores que não realiza cobranças por telefone e que também não oferece cancelamento do contrato de assinatura de revistas mediante o pagamento de qualquer valor. Tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A Editora Três é vítima e não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças, informando aos seus clientes que todas as medidas cabíveis foram tomadas, inclusive criminais, para apuração das responsabilidades.