Na TV Cultura, Metrópolis debate identidade de gênero neste domingo (21)

O escritor Alexandre Vidal Porto e a cantora transexual Assucena Assucena participam da conversa. O programa mostra ainda a música de Johnny Hooker. Inédita, a atração vai ao ar às 20h

Publicado em: 19/02/2016

Categoria: Agenda

A apresentadora do Metrópolis Adriana Couto (Foto: Jair Magri)

O tradicional debate do Metrópolis se volta neste domingo (21) para diversas questões que envolvem a identidade de gênero. Para falar sobre o assunto, o programa recebe Assucena Assucena, vocalista da banda As Bahias e a Cozinha Mineira. Transexual, ela passou a usar a música como ferramenta na luta contra a homofobia e o machismo. Tanto que o álbum lançado por sua banda em novembro entra em sintonia com discussões feministas que estiveram em pauta nos últimos meses por meio de hashtags como #meuprimeiroassédio e #meuamigosecreto.

Completa o debate o escritor e diplomata Alexandre Vidal Porto, autor do livro Sérgio Y. vai à América. O romance descreve a jornada de um jovem paulistano que vai morar em Nova York na tentativa de se encontrar. Vencedora do Prêmio Paraná de Literatura de 2012, a obra investiga com inteligência e delicadeza as fronteiras da sexualidade no mundo contemporâneo.

Já a parte musical do programa fica a cargo do cantor e compositor Johnny Hooker. O artista pernambucano fala no programa sobe sua carreira e comenta novos projetos. Neste mês, ele lançou dois clipes. O primeiro, Segunda Chance, foi dirigido pela apresentadora e cineasta Marina Person e é dedicado ao artista britânico David Bowie. Já o segundo, Desbunde Geral, traz uma compilação de imagens de suas apresentações no Carnaval de Recife.

Tags: , , , , ,

Nota de esclarecimento A Três Comércio de Publicações Ltda. (EDITORA TRÊS) vem informar aos seus consumidores que não realiza cobranças por telefone e que também não oferece cancelamento do contrato de assinatura de revistas mediante o pagamento de qualquer valor. Tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A Editora Três é vítima e não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças, informando aos seus clientes que todas as medidas cabíveis foram tomadas, inclusive criminais, para apuração das responsabilidades.